Secretário de Saúde sobre máscara e aglomeração: “Agiremos com austeridade”

Francisco Araújo disse que o governo local vai punir e aplicar multas em quem não usar o equipamento e não evitar as aglomerações

Decreto determina fechamento do comércio não essencial em Ceilândia, Sol Nascente e Por do SolRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 14/07/2020 17:24

O Secretário de Saúde do Distrito Federal, Francisco Araújo, disse que o Governo do Distrito Federal (GDF) vai agir, a partir desta quarta-feira (15/7), dia da reabertura dos bares e restaurantes, com “austeridade” contra quem não seguir as normas para evitar a proliferação do novo coronavírus.

“Nós entramos numa nova fase. A partir de amanhã, quem não usar máscara, nós vamos ter que punir, aplicar multas e tomar as providências. O governo, agora, vai agir com austeridade com relação à aplicação de multas para quem não está usando a máscara”, afirmou.

Segundo ele, o governo vai intervir com todas as áreas para que as pessoas não mantenham aglomeração. “Não adianta só o governo fazer sua parte, se a população não faz”, pontuou.

Segundo o secretário, o Distrito Federal tem hoje o maior número de leitos de UTI para pacientes com coronavírus por 100 mil habitantes. “Todo esse trabalho e esse esforço para proteger a vida das pessoas é fundamental que ajudem o governo a ajudar. O governo, a partir de amanhã, estará cobrando que as pessoas cumpram as obrigações de proteger umas às outras”, completou.

As declarações de Francisco foram feitas durante coletiva de imprensa virtual sobre o balanço da pandemia no DF, realizada na tarde desta terça-feira (14/7). Além do secretário de Saúde, participaram do evento: o subsecretário de Vigilância à Saúde, Eduardo Hage; o presidente da Companhia de Planejamento do DF (Codeplan), Jean Lima; e o subsecretário de Inovação da Casa Civil, Paulo Medeiro.

O uso de máscara de proteção facial é obrigatório nos espaços públicos e em comércios no Distrito Federal desde 30 de abril. A fiscalização, porém, começou no dia 18 de maio. Quem desrespeitar a regra pode levar multa de R$ 2 mil ou R$ 4 mil, em caso de pessoa jurídica.

O Distrito Federal registrou, do início da pandemia até a tarde desta terça-feira (14/7), 877 óbitos por causa do novo coronavírus e 72.395 casos confirmados da doença.

0

Mais leitos

O secretário de Saúde anunciou que serão entregues leitos do Hospital de Campanha da Polícia Militar do DF (PMDF) nesta e nas próximas semanas. Segundo Francisco, a obra estrutural da nova unidade de saúde do Complexo Penitenciário da Papuda também está pronta.

“Amanhã (quarta, 15/7), a empresa [responsável pela construção do Hospital de Campanha da PMDF] vai nos passar o calendário. A medida que nos passarem o panorama de leitos, vamos jogar na Sala de Situação para o Complexo Regulador regular esses leitos. São 86 leitos para Covid-19, todos de UTI. O calendário será colocado à disposição”, afirmou.

Reabertura das escolas

O subsecretário de Vigilância à Saúde, da Secretaria de Saúde do DF, Eduardo Hage, disse que a projeção para setembro, quando voltarão as aulas da rede pública, é de que a transmissão do novo vírus esteja “bastante reduzida”.

“As medidas seriam suficientes para assegurar proteção tanto para os trabalhadores quanto para os alunos”, afirmou.

O presidente da Codeplan ressaltou que as atividades nas salas de aula voltarão de forma gradual e há normas para evitar o contágio. “Tem uma série de outros protocolos baseados tanto em documento entregue pelo segmento dos trabalhadores da educação quanto de técnicos que estudam o tema e baseados em experiencias de outros países”, pontuou.

Confira a íntegra da coletiva:

Últimas notícias