Campeão de luta-livre chama deputado Luis Miranda para a porrada

Atual treinador de MMA Marcelo Brigadeiro disse ter aceitado desafio de congressista e deu data para o fight: fevereiro, no Nilson Nelson

Reprodução / YoutubeReprodução / Youtube

atualizado 27/08/2019 10:21

O que até agora foi uma troca de impropérios em ambiente virtual corre sérios riscos de ir parar em um ringue de luta. Já faz um tempo que dois personagens de mundos bem diferentes passaram a se estranhar nas redes sociais: o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), que circula pelos tapetes verdes da Câmara, e o treinador de MMA e campeão de luta-livre Marcelo Franco, conhecido como Marcelo Brigadeiro, um habitué dos octógonos.

De um lado, o parlamentar se queixa que o lutador passou a criticá-lo em janeiro, quando o político esteve em missão oficial na China. De outro, o lutador afirma que foi alvo de ameaças. Naquela ocasião, ainda início de governo, a comitiva recebeu ataques, principalmente por apoiadores do então recém-empossado presidente. Bolsonaristas entenderam a ida dos deputados ao Oriente como uma provocação, visto que há divergências entre a potência chinesa com os Estados Unidos.

Muitos meses se passaram, mas a picuinha só aumentou. Nessa segunda-feira (26/08/2019), o lutador propôs que os adversários cheguem às vias de fato. Em uma live no YouTube intitulada “Luis Miranda… agora a porrada vai comer” postada na tarde dessa segunda-feira (26/08/2019), o pugilista sugere dia e local para o duelo em Brasília: fevereiro de 2020, no Ginásio Nilson Nelson.

“Passarinho que come pedra sabe o fiofó que tem. Esse vídeo nada mais é do que a consequência de uma escolha do senhor Luis Miranda, aquele ‘Zé ruela’ que está como deputado federal”, disparou o nada doce Marcelo Brigadeiro. O lutador diz que foi Miranda quem começou a treta, e agora ele está pagando para ver. “Tu desafiou e eu estou aqui aceitando o desafio, e a gente vai ter que sair na porrada. Tu não é lutador, tu é um vendedor de susto. Sabe como é? Mete uma braba (sic), mas é um Zé bunda”, provoca o pugilista, que estipula multa de R$ 300 mil para quem desistir da luta.

Em oito minutos de um vídeo dedicado ao deputado do DF, Marcelo Brigadeiro sugere que o político comece a treinar a partir de agora. Diz que Miranda não precisa se preocupar com “nadinha”, que ele promoveu alguns eventos do tipo e vai providenciar toda a estrutura para o embate.

“Vamos promover um evento, ou melhor, eu promovo. Vai treinar, você tem seis meses. Eu estou pronto pra sair na porrada contigo agora, mas eu vou te dar tempo para você depois não falar que ‘o cara é profissional’.”

Veja o vídeo:

 

“Posicionamento ridículo”

O vídeo de Marcelo Brigadeiro é uma resposta a live recente em que Miranda responde a algumas provocações de internautas sobre a treta com o pugilista.

“Em janeiro, por causa da viagem à China, ele [Brigadeiro] tinha dito que me quebraria. Constantemente nas minhas lives, seguidores dele vêm e me questionam sobre isso. Ontem, na minha live, eu falei sobre isso e disse: ‘Que ridículo esse posicionamento’. Também falei que se ele quisesse fazer algo pelo Brasil de verdade, aceitava fazer uma luta de boxe em dezembro para arrecadar brinquedos para as crianças pobres do DF”, comentou o deputado.

Miranda disse ainda que esse tipo de ataque é parte do plano de seus adversários que querem lhe tomar o mandato: “A polícia de combate aos crimes cibernéticos provou que são membros de uma organização criminosa e estão ganhando para desconstruir a minha imagem”.

SOBRE OS AUTORES
Lilian Tahan

Dirige desde setembro de 2015 o site de notícias Metrópoles. É formada em comunicação social pela Universidade de Brasília (UnB), com especialização em jornalismo digital e gestão de empresa de comunicação pela ISE Business School, instituição vinculada à Universidade de Navarra, na Espanha. Antes do Metrópoles, trabalhou por 12 anos no Correio Braziliense e dois anos na revista Veja Brasília. Ao longo da carreira, conquistou prestigiados prêmios de jornalismo, como Esso, Embratel, CNT, CNI, AMB, MPT, Engenho.

Caio Barbieri

Cursou jornalismo no Centro Universitário de Brasília (UniCeub). Passou pelas redações do Correio Braziliense, Agência Brasil, Rádio Nacional e foi editor-adjunto da Tribuna do Brasil. Ocupou a assessoria especial no Ministério da Transparência e foi secretário-adjunto de Comunicação do GDF. Chefiou o relacionamento com a imprensa na Casa Civil, Vice-Governadoria, Secretaria de Habitação e na Secretaria de Turismo do DF. Fez consultoria para vários partidos, entidades sindicais e políticos da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional. Assina a coluna Janela Indiscreta do Metrópoles e cobre os bastidores do poder em Brasília.

Últimas notícias