Babás de pet chegam a lucrar R$ 3 mil por mês em Brasília

Petsitters brasilienses estão encontrando nesse mercado uma oportunidade profissional

atualizado 18/12/2019 16:26

Foto: Metrópoles/Rafaela Felicciano

Quando o assunto é cuidar de pets, os tutores não pensam duas vezes na hora de agradá-los. Por isso o mercado cresce constantemente, em 2020 o segmento pode chegar a faturar R$ 20 bilhões. E não para por aí, muitos brasilienses têm visto no ramo uma maneira de garantir a própria renda e encontrar novas profissões.

A profissão

Amor aos pets é algo essencial para trabalhar com os bichinhos. A cuidadora Corina Drumond se especializou em direito dos animais atuando no ramo e um dia resolveu se dedicar inteiramente a esse mercado. Ela iniciou o trabalho de petsitter na capital – os clientes no início eram apenas seus amigos, mas, com o tempo, sua clientela aumentou e hoje ela trabalha com mais de 90 tutores em Brasília.

“Um dia virei para o meu chefe e disse que queria sair do escritório, logo depois iniciei meu trabalho e estou há cinco anos no ramo. Coloco muito amor, dedicação e responsabilidade em tudo que faço, cada animal para mim é especial, por isso hoje consigo tirar minha renda dessa profissão. Os clientes confiam muito no que faço e também são muito exigentes”, conta.

0

Antes de iniciar o trabalho, a cuidadora faz uma visita de ambientação e pede para que os tutores preencham uma ficha contando detalhes sobre a vida e o histórico de saúde do bichinho. Corina cobra por hora e o preço varia de acordo com cada trabalho, dependendo das necessidades, quantidade de animais e tempo que passará com o pet. Além disso, a cuidadora já fez cursos em São Paulo e Rio de Janeiro sobre alimentação, comportamento e auxiliar de veterinário exercendo um trabalho de bem-estar com os pets e as famílias. Em altas temporadas, ela garante que consegue faturar até cinco vezes o valor que cobra em outros períodos.

View this post on Instagram

Um SRD.. o bom e velho vira-lata. Dia das crianças chegando e: NADA de dar animal de presente. Ok? Animal não é presente. Vai no Iguatemi.. naquela loja grande de brinquedos e escolha. Ou se a criança for super sensível e “evoluída”, de um clipe de papel (como naquele vídeo lindo que viralizou). . Um filhote é sempre lindo e emocionante. Dar uma vida nova à um cachorro da rua ou abrigo tb é algo lindo. . Mas é preciso consentimento de todos da casa. . Animal não é presente, repito! . Presente é vc plantar a sementinha na criança, ensinando a cuidar, respeitar e amar um animal. Leve ela à um abrigo de animais no intuito de educá-lo. . Depois de muita conversa e lucidez sobre o assunto, volte lá e escolha ( ou seja escolhido). #stuckert

A post shared by Corina Drumond (@drumondpet) on

“Eu vou passar um tempo com aquele animal, então preciso saber tudo sobre ele. Em alguns casos, vou só para ficar no local algumas horas, pois o pet não fica sozinho. Em outras ocasiões, faço vários serviços, como passear e alimentar, pois alguns tutores viajam com frequência e ficam mais tranquilos comigo por perto – eles tratam os pets como filhos”, afirma.

Os buldogues franceses Páprica Picante e Fetuccine Alfredo são exemplos – Corina recebe para passar um tempo com a cachorrinha e seu irmão. De acordo com a tutora dos animaizinhos, a arquiteta Tainá Martins, os dois têm personalidades distintas e o trabalho da cuidadora é muito importante. “Eles não ficam sozinhos, principalmente a Páprica. Por isso, quando vamos sair, chamamos a Corina, é uma forma para que eu me tranquilize enquanto estou fora”, afirma.

View this post on Instagram

you’ve got a friend in me☁️?

A post shared by tainá veggas martins (@tainamartins) on

Últimas notícias