Cobogó é um acrônimo que esconde desejos. É um modo de ser brasiliense

Os elementos vazados existem desde a China antiga. São treliças e muxarabis feitos de concreto armado. São luz e brisa, escondem e revelam

Raimundo Sampaio/Esp. MetrópolesRaimundo Sampaio/Esp. Metrópoles

atualizado 05/08/2019 21:54

Cobogó é uma palavra esquisita, tropeça nela mesma. É quase uma brincadeira de trava-língua, o rato roeu a roupa do rei de Roma. Tem gente que diz codobó, cocogó, cobobó, e gente que desiste e aponta… aquilo ali.

É um acrônimo, um elemento da arquitetura, uma paisagem de concreto, uma identidade brasiliense. Virou nome de loja, de galeria. Estampa camisetas, inspira pingentes, brincos, anéis. Ganhou cores e está em 10 de cada 10 projetos de arquitetura fashion.

Raimundo Sampaio/Esp. Metrópoles

Cobogó é primo da treliça, que é prima do muxarabi, que é primo da gelosia, e são todos a mesma coisa, com diferenças de matéria-prima e de lugar e tempo histórico.

É de concreto, mas nasceu de madeira.

O cobogó seria pesado, mas é leve.

Seria parede, mas é janela, são muitas janelinhas sempre abertas.

É moderno e brasiliense, mas nasceu árabe e chinês, depois virou português e, por último, brasileiro.

Muxarabi significa “local onde é refrescado o pote de água”, segundo o arquiteto Carlos Alberto Cerqueira Lemos ouviu de um especialista em etimologia de expressões árabes antigas.

Numa província rural da costa leste da China, há portas e janelas feitas inteiramente com bordados vazados na madeira. Na arquitetura vernacular chinesa – ou dito de modo menos pretensioso, na arquitetura popular chinesa –, janelas e portas são o principal elemento decorativo das casas (segundo Renata Paulert, em dissertação da pós em construção civil da UFPR).

Cobogó é vento, é claridade, mas é também sombra e recato. É um modo de ver sem ser visto. É uma prisão de onde não se pode fugir, de onde se pode fugir o tempo inteiro.

É brisa, é som, é segredo revelado, são segredos contidos.

As treliças de madeira nas janelas e nas varandas escondiam as mulheres dos olhares masculinos. Era o desejo enclausurado na China, no mundo árabe, no império português, no Brasil colônia.

Cobogó é o casamento da primeira sílaba do sobrenome dos três homens que transformaram as antigas treliças e os milenares muxarabis em elemento da arquitetura moderna.

É uma palavra feita com sílabas de pedra: CO, do mestre de obras português Amadeu Oliveira Coimbra; BO, do ferreiro alemão Ernest Boekman; e GÓ, do engenheiro brasileiro Antônio de is.

Juntos, CO, BO e GÓ tiveram a ideia de fabricar treliças (ou muxarabis ou gelosias) em concreto armado para revestir a Caixa d’Água de Olinda (PE) em 1934. Naqueles anos 1930, a arquitetura moderna brasileira começava a ocupar a paisagem do Rio e de São Paulo.

Coimbra, Boekman e is tiveram o mérito de fabricar os elementos vazados e usá-los num edifício institucional. “O movimento moderno de Pernambuco sistematizou o uso do cobogó”, me disse há alguns anos o professor Maurício Rocha de Cavalho, da FAU/UFPE, a escola de arquitetura da federal de Pernambuco.

Menos de uma década depois de o cobogó aparecer numa caixa-d’água de Olinda, Lucio Costa revestiu as fachadas dos edifícios do Parque Guinle, no Rio de Janeiro, com elementos vazados meio cor de vinho, meio cor de terra. Foi lúdico: intercalou brises, cobogós com e sem janelas. Os edifícios do Guinle são considerados os ensaios das superquadras do Plano Piloto de Brasília.

Aqui, Oscar Niemeyer foi bem menos lúdico e bem mais monótono: criou imensos tecidos brancos de cobogó para cobrir as fachadas internas das primeiras superquadras e as fachadas das casas da W3 Sul.

Cobogó é Brasília, nascido das mais antigas arquiteturas, meio barroco, rendado, geométrico, moderno, concreto, frio, lúdico. Seria um poema de João Cabral de Melo Neto ou de Joaquim Cardozo, mas é de Lucio e Oscar. Dedicado aos brasilienses.

SOBRE O AUTOR
Conceição Freitas

Sou filha de quatro cidades: Manaus, Belém, Goiânia e Brasília. Repórter, cronista e dona de uma banquinha de afetos brasilienses. Guardo em mim amores eternos e 11 prêmios de jornalismo – o mais importante deles, Esso Nacional – por uma série de histórias de amor entre excluídos, portadores de necessidades especiais e errantes de todo tipo. Fui repórter de polícia, cidades, cultura, Brasil. Neta de negro e de índio, sou brasileira até o último fio de cabelo cacheado. Adoro descobrir o sentido que cada pessoa dá à vida. É do sentido delas que construo o meu.

Últimas notícias