Na presidência, Mourão se ausentou de Brasília 38,5% do tempo

A maior parte das agendas fora da capital tem sido de encontros com empresários e associações de comerciantes

Marcelo Camargo/Agência BrasilMarcelo Camargo/Agência Brasil

atualizado 13/09/2019 17:40

Desde o início do mandato, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) adotou agenda intensa de viagens internacionais, além de precisar se ausentar por questões de saúde, especialmente relacionadas ao atentado à faca sofrido na campanha eleitoral de 2018. Pela Constituição brasileira, com a ausência do chefe do Executivo, quem assume a cadeira é o “número dois” do Palácio do Planalto, o vice-presidente, Hamilton Mourão (PRTB).

Ao longo dos oito primeiros meses de governo, Bolsonaro fez nove viagens exteriores, incluindo Suíça, Chile, Japão e Israel, além das duas visitas para a Argentina e os Estados Unidos.

Nas vezes em que ocupou o cargo de presidente em exercício durante essas viagens do titular, Mourão foi a outros estados por oito vezes.  Além disso, devido à quarta cirurgia realizada por Bolsonaro após a facada, o general ocupa o cargo de mandatário do Brasil desde o dia 8 de setembro, e deverá permanecer no posto até o dia 17. Nesse período, ele já saiu da capital do país por dois dias.

Isso significa que 38,5% do tempo em que esteve como presidente da República, o general cumpriu suas funções fora do Planalto. Em um desses dias, o vice chegou a sair do Brasil em direção ao Líbano, deixando o cargo para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pelo período de uma madrugada, até a chegada de Bolsonaro.

Enquanto Bolsonaro cumpria agenda em Davos, na Suíça, no dia 22 de janeiro, o vice viajou ao Rio de Janeiro, para a passagem de Comando do 2° Regimento de Cavalaria de Guarda. Em 22 e 23 de março, enquanto o presidente eleito visitava o Chile, Mourão foi a Porto Alegre, onde participou de painéis com empresários brasileiros. 

Durante a viagem do mandatário a Israel, o general esteve em São Paulo e Rio de Janeiro por dois dias, também para comparecer a cerimônias com representantes de grandes empresas nacionais e internacionais.

No dia 16 de maio, o vice foi a Recife e deixou o país durante a madrugada para visitar o Líbano. Quem assumiu o Brasil neste período foi o deputado Maia, até a volta de Bolsonaro, às 5h45 do dia 17. Já no mês de junho, enquanto o presidente participava da cúpula do G20, no Japão, Mourão cumpriu agenda com associação de comerciantes em Porto Alegre e Curitiba.

Neste mês, durante recuperação de Bolsonaro devido à cirurgia, Mourão se ausentou do Planalto somente por dois dias. O primeiro, para visitar o companheiro de chapa no hospital. No dia 12, ele foi a Porto Alegre para cumprir agenda com empresários.

Para o levantamento, a reportagem se baseou na agenda oficial dos chefes do Executivo, disponível no site do Planalto. Porém, vale ressaltar que os dias 17 e 30 de março e o período de 24 a 25 de junho não foram divulgados pela vice-presidência, assim como os dias 29 e 30 de junho. A assessoria foi procurada, mas não houve resposta aos e-mails e às ligações.

SOBRE O AUTOR
Natália Lázaro

Mestre em comunicação pela Universidade Católica de Brasília (UCB) e graduada em jornalismo pela mesma instituição. É autora do livro Cemitério dos Livros Vivos: a Alternativa do Telejornalismo pelo Documentário, da editora Multifoco. Em Nova York, realizou curso profissionalizante em fotografia pela New York Film Academy e prosseguiu os estudos na área pela Escola Brasiliense de Fotografia (EBF). Fez estágio na BandNews FM Brasília e no Jornal de Brasília. Também trabalhou em assessorias de comunicação públicas e privadas.

Últimas notícias