*
 
 

E os europeus reinam, mais uma vez, no Velho Mundo. Após iniciar as batalhas nas estepes russas com 14 exércitos, quatro deles sobressaíram sobre os demais batalhões e sobrevivem na luta pela tão sonhada conquista da taça do mundo – desta vez, a taça do mundo não será nossa, com o brasileiro há quem possa…

Entre as quatro seleções que ainda estão vivas nesta Copa que já teve 153 gols (média de 2,6 gols por jogo) e 200 cartões amarelos (3,5 por partida), apenas duas já foram campeãs do mundo. Uma delas é a França, que ergueu a taça diante de seus torcedores em 1998. A outra campeã do mundo ainda viva na luta pelo título na Rússia é a Inglaterra, ganhadora do troféu em 1966, também atuando em casa.

De um lado da chave, França x Bélgica, na próxima terça-feira (10/7), às 15h, em São Petersburgo. . Ou seja, resta a resistência francesa, dona dos croissants e das baguetes debaixo do braço, além do vinho, de preferência o tinto. Como adversário, a decantada geração belga, que representa as batata fritas, o waffle e as cervejas. É tipo Asterix contra Tintim, Edith Piaf versus Placebo, Renoir na luta contra Magritte.

Na verdade, a seleção francesa – sétima no ranking da Fifa, antes da Copa –, e que vem de eliminações sobre Argentina (4 x 3) e Uruguai (2 x 0), vai entrar em campo com Pogba, Griezmann e Mbappé. Já a Bélgica, que passou pelo Brasil na quartas de final, tem no trio De Bruyne, Hazard e Lukaku um ataque de peso. Não por acaso, os belgas estão em terceiro no ranking da entidade que comanda o futebol mundial. O tal ranking, aliás, é liderado por Alemanha e Brasil. Tsc, tsc, tsc, era.

A semifinal entre França e Bélgica tem tudo para ser um partidaço. Os elencos são jovens, rápidos e estão em grande fase. Em campo, jogadores do PSG, do Manchester City, do Chelsea, enfim, de grandes equipes do futebol mundial. Mbappé está em grande fase e é até chamado de “herdeiro de Pelé”. E o trio belga colocou a Seleção Brasileira no bolso, principalmente durante o primeiro tempo da partida em que nos derrotaram por 2 x 1.

A última e única vez que franceses e belgas figuraram juntos em uma mesma semifinal de Copa do Mundo foi em 1986, quando foram respectivamente eliminados por Alemanha e Argentina, ambos com derrotas por 2 x 0. Depois, na decisão do terceiro lugar desta competição, no México, a França superou a Bélgica por 4 x 2.

No bolão, eu arriscaria 2 x 1 para a França. Mas futebol, vocês, sabem, é uma caixinha de surpresas…

A outra semifinal, que veio de uma chave chamada “mais fraca” – atentem para as aspas – é entre Croácia e Inglaterra. Os croatas – 12º no ranking da Fifa – fizeram uma primeira fase perfeita, com vitórias sobre Islândia (2 x 1), Nigéria (2 x 0) e Argentina, com direito a 3 x 0 no time de Lionel Messi. Depois, aparentemente, a força criativa do time foi minando e os croatas vêm de duas disputas por pênaltis.

A Inglaterra. que é a 20ª colocada no ranking da Fifa, tentará avançar à semifinal de uma Copa pela primeira vez desde 1990, quando foi eliminada pela Alemanha, nos pênaltis, após empate por 1 x 1 no tempo normal e na prorrogação, na Itália, onde foi derrotada também pela seleção da casa na disputa pelo terceiro lugar, por 2 x 1.

A Croácia, por sua vez, luta para se classificar pela segunda vez na sua história à semifinais de um Mundial. Há 20 anos, na Copa de 1998, foi eliminada pela França nesta fase, com uma derrota de virada por 2 x 1, e depois ficou com o terceiro lugar ao bater a Holanda pelo mesmo placar.

Nas quartas, após empate em 1 x 1 no tempo regulamentar com a Dinamarca, venceram nos pênaltis, por 3 x 2. E neste sábado (7), eliminou a anfitriã Rússia nos pênaltis por 4 x 3, após empate por 2 x 2 na prorrogação e 1 x 1 no tempo normal. Ou seja, a turma de Modric, Rakitic e Mandzukic chega esgotada após 240 minutos de futebol e duas cobranças de pênaltis contra a Inglaterra, o time de Harry Kane.

Sim, o time do furacão Harry Kane, artilheiro da Copa com seis gols, e, também, de Pickford, goleiro que tem se destacado nas últimas partidas e que fez três grandes defesas nas quartas de final, contra a Suécia, na vitória tranquila dos ingleses por 2 x 0. Nas oitavas, os ingleses passaram nos pênaltis sobre a Colômbia, após empate em 1 x 1 na prorrogação.

Croácia x Inglaterra, na quarta-feira (11), às 15h, em Moscou, no estádio Lujniki, será um jogo mais tático. Modric e Rakitic jogam com muita velocidade no meio-campo de seus respectivos times, Real Madrid e Barcelona, e na seleção croata a bola sempre passa por eles, donos de exímia técnica. Já os ingleses apostam na velocidade de Sterling, no faro de gol de Kane e na segurança de Pickford.

No bolão, eu apostaria 1 x 1, com vitória da Inglaterra nos pênaltis, mas futebol, eu já disse acima, é uma caixinha de surpresas.

O que se sabe, no fim das contas, é que a Rússia será palco de uma final inédita de Copa do Mundo. O grande confronto, marcado para o próximo dia 15/7, em Moscou, será entre duas seleções que nunca se enfrentaram no jogo que valeu o título da maior competição do futebol mundial.

A gente torce de longe para que vença o melhor.

 

 



 


FrançabrasilInglaterraCroáciacopa do mundo 2018bélgicacopa 2018