metropoles.com

Vereadora trans Benny Briolly (PSol) deixa o Brasil após ameaças

Negra e transexual, Benny Briolly foi a quinta vereadora mais votada de Niterói (RJ), com 4.458 votos, em novembro de 2020

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação
Benny Briolly
1 de 1 Benny Briolly - Foto: Divulgação

A vereadora Benny Briolly (PSol), eleita em Niterói (RJ), saiu temporariamente do Brasil após sofrer ameaças. Segundo comunicado publicado nas redes sociais, na noite desta quinta-feira (13/5), a parlamentar tem sido alvo de violência política.

Benny foi a primeira vereadora transexual eleita na cidade, com 4.458 votos, a quinta mais votada da cidade.

“Para assegurar sua vida, o PSol precisou tomar uma medida drástica de tirar Benny do país. O que é absurdo e incompatível com o estado democrático. Benny segue acompanhando as sessões plenárias da Câmara Municipal de Niterói, que por conta da pandemia estão sendo virtuais.”

Benny foi a primeira vereadora transexual eleita na cidade, com 4.458 votos, a quinta mais votada da cidade. A deputada estadual Renata Souza (PSol) classifica a situação como grave. “É absurdo o nível de violência política”, afirmou.

Em nota a Executiva do PSol em Niterói informou que “foi a medida extrema que encontramos, e pudemos contar com o rápido apoio de diferentes esferas do partido, para mantê-la segura neste momento. Mesmo fora, ela seguirá acompanhando as sessões plenárias da Câmara de forma virtual”. Segundo a legenda, há cinco meses ela enfrenta ameaças e ofensas, tanto nas redes sociais como presencialmente. “Foram comunicadas várias instâncias do Estado brasileiro sobre a grave situação e esperamos que medidas sejam tomadas”, disse o partido, no comunicado.

0

Denúncias

Desde que assumiu o cargo público, Benny tem relatado constantes agressões. Em março, ela acusou o vereador Douglas Gomes (PTC-RJ) de transfobia e racismo durante reunião da Comissão de Direitos Humanos, da Criança e do Adolescente.

De acordo com a equipe parlamentar, Gomes a tratou pelo pronome masculino e a xingou de “vagabundo”, “moleque” e “seu merda”.

“Hoje fui agredida com transfobia, racismo e quase fisicamente pelo vereador fascista Douglas Gomes, que segurado pelos meus companheiros de bancada para que não me encostasse. Foi horrível e doloroso! Chorei, senti medo, senti a dor de ser mulher negra e trans na política, mas não recuei. Companheiras, me ajudem, eu não posso andar só!”, declarou Benny, na ocasião.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações