Vem Pra Rua reúne 3 mil manifestantes contra STF em Brasília

Protesto deste sábado (09/11/2019) tem como alvo a decisão do Supremo que culminou na soltura do ex-presidente Lula

atualizado 10/11/2019 11:06

Igo Estrela/Metrópoles

O movimento Vem Pra Rua reuniu cerca de 3 mil manifestantes neste sábado (09/11/2019), em Brasília, para protestar contra a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a prisão em segunda instância. A decisão culminou na soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso há um ano e sete meses. Atos também acontecem em outras cidades do Brasil.

Os manifestantes se reuniram no canteiro em frente à Alameda dos Estados, na altura do bloco G, na Esplanada dos Ministérios. Segundo a Polícia Militar do Distrito Federal, antes mesmo do início do ato, marcado para as 16h, pelo menos 1 mil apoiadores já aguardavam no local.

Por volta das 18h, o movimento Vem Pra Rua encerrou o ato nesse local cumprindo o acordo feito com a Secretaria de Segurança do DF. Parte do grupo, no entanto, seguiu para a frente do STF, onde entoam palavras de ordem e usam instrumentos musicais para puxar paródias. “STF, pode esperar, a sua hora vai chegar”, diz uma delas. A Polícia Militar do DF ficou no local e acompanhou a movimentação.

 

0
Igo Estrela/Metrópoles
Paulo Sérgio, apoiador do presidente Bolsonaro

Paulo Sérgio, 71 anos, levou toda a família para entoar o coro “nossa bandeira nunca será vermelha”. Ele acredita que com a atitude está cumprindo seu papel de cidadão.

“Eu acho que todo brasileiro tem que se posicionar em relação ao que está acontecendo. Estamos fazendo nossa parte para reverter a imoralidade que é essa decisão do STF. Lula é sabidamente corrupto”, declarou.

Do alto do único trio elétrico presente na manifestação e sob faixa com os dizeres “não permitir prisão em segunda instância é proteger bandido”, a coordenadora do Vem Pra Rua em Brasília, Celina Ferreira, atribuiu a soltura de Lula ao que chamou de ‘covardia do Congresso Nacional'”.

“Os deputados não se organizaram para impedir, para escrever na Constituição que lugar de criminoso condenado é na prisão. Aí, no toque de caixa, quando o STF monta o circo deles, quem paga é a população. Pra soltar um corrupto, libertaram milhares.”

Representantes da Câmara Legislativa e do Congresso Nacional também marcaram presença na manifestação. Entre eles as deputadas distritais Julia Lucy (Novo) e Kelly Bolsonaro (PSL), as deputadas federais Paula Belmonte (Cidadania-DF) e Bia Kicis (PSL-DF), e o senador Eduardo Girão (CE), vice-líder do PSL.

Igo Estrela/Metrópoles
Celina Ferreira, do movimento Vem Pra Rua

Aposentada, Valdete de Sousa Amorim, 79 anos, compareceu ao ato vestida de preto. Segundo a apoiadora do presidente Bolsonaro, a escolha foi um protesto, uma forma de demonstrar que a população está de luto com a decisão do judiciário. “Não dormi essa noite. Desde ontem à noite eu não paro de chorar. Tanta impunidade me revolta”, desabafou.

Empunhando uma bandeira do Brasil, o técnico administrativo Israel Sales, de 30 anos, afirma que a decisão do STF causou “indignação e repúdio” entre os jovens. “Além disso, o STF não representa mais os anseios da população.”

Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro esteve próximo à manifestação, na Praça dos Três Poderes. Ele parou no local para comprar um picolé, chamou atenção dos manifestantes, mas foi embora acompanhado de seguranças antes mesmo de os presentes se aglomerarem.

Últimas notícias