metropoles.com

Veja o que acontece com Bolsonaro e outros indiciados da CPI do 8/1

Relatório final da CPMI será enviado ao Ministério Público, que analisa abertura ou não de investigação contra os indicados

atualizado

Compartilhar notícia

Vinícius Schmidt/Metrópoles
Imagem colorida mostra a senadora Eliziane Gama levantando a Constituição durante a CPMI do 8/1 - Metrópoles
1 de 1 Imagem colorida mostra a senadora Eliziane Gama levantando a Constituição durante a CPMI do 8/1 - Metrópoles - Foto: Vinícius Schmidt/Metrópoles

O relatório da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro foi aprovado, nessa quarta-feira (18/10), pedindo o indiciamento de 61 pessoas, incluindo o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), ex-ministros de Estado e militares. Entre os crimes apontados, estão associação criminosa, violência política, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

O documento havia sido lido pela relatora, Eliziane Gama (PSD-MA), na terça-feira (17), e, na quarta, os parlamentares se limitaram a expor suas posições e, no fim, votar o parecer de 1.751 páginas.

Durante o funcionamento, a CPI tem poder de uma autoridade do Judiciário – pode pedir a quebra de sigilo telefônico e telemático dos investigados, por exemplo, sem a necessidade de autorização judicial.

No fim, no entanto, a comissão não pode indiciar ninguém, mas apenas juntar provas e enviar as apurações à autoridade, que considera ou não a abertura de um inquérito. Se o Ministério Público apresentar denúncia, o Judiciário ainda precisa aceitar e, só então, o indiciado pela comissão passa a ser réu.

0

Por isso, agora, o relatório final de Eliziane Gama será entregue na próxima terça-feira (24/10) à Procuradoria-Geral da República (PGR), que deve mandar alguns casos aos ministérios públicos dos estados. O documento será encaminhado também ao Ministério Público Militar (MPM), em data a ser definida.

No caso de figuras com prerrogativa de foro, como a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), o caso fica com a PGR. Em outras situações, de pessoas sem prerrogativa, a análise vai para o MPF ou aos MPs estaduais. Esses órgãos vão analisar as provas e propor ou não denúncia contra os envolvidos. Até que haja denúncia, as análises são preliminares. Se entender que não há prova de crime, o Ministério Público pede o arquivamento das investigações.

A CPI da Covid-19, por exemplo, que ocorreu em 2021 no Senado, terminou com o pedido de indiciamento de 80 pessoas, entre elas o então presidente Bolsonaro. Apesar da quantidade de pedidos de indiciamento, não houve avanços efetivos das informações obtidas pela comissão no âmbito judicial.

0

Bolsonaro e outros envolvidos que gozavam da prerrogativa de foro tiveram as denúncias enviadas ao Supremo Tribunal Federal (STF). Coube à PGR avaliar as provas e pedir ou não o prosseguimento da denúncia. No caso de Bolsonaro, a Procuradoria pediu o arquivamento das sete apurações preliminares ainda no início do ano passado. Em março deste ano, o ministro Dias Toffoli arquivou duas investigações.

Críticas

O fato de a senadora Eliziane Gama ter poupado algumas figuras em seu relatório, como o ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) Gonçalves Dias, que estava no Palácio do Planalto durante a invasão, gerou críticas sobre suposta parcialidade do relatório.

No documento, no caso de G. Dias, ela alegou que não era possível igualar a conduta dele com a de seus subordinados, que foram indiciados.

“[G. Dias estava] efetivamente no cargo havia apenas sete dias, ao passo que os seus inferiores hierárquicos eram evidentemente conhecedores de informações privilegiadas a respeito do risco concreto de danos ao Palácio do Planalto, e que optaram dolosamente por se omitir, quando tinham a obrigação normativa de agir para evitar o resultado”, argumentou.

Eliziane também livrou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), que chegou a ser afastado pelo STF após as invasões dos Três Poderes, mas depois reassumiu o cargo.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações