Veja a íntegra da audiência de Mariana Ferrer em julgamento sobre estupro

Vídeo mostra, de forma completa, como foi o julgamento da influencer, que teve duração de três horas

atualizado 05/11/2020 14:15

Após a divulgação de trechos da audiência da influencer Mariana Ferrer, de 23 anos, para julgar o empresário André de Camargo Aranha, acusado de estuprar a jovem, houve uma grande revolta.

Imagens da íntegra da audiência, obtidas pelo Estadão, mostram que, desde o início, Mari pergunta se o promotor vai continuar até as alegações finais. Caso contrário, ela gostaria de revogar a participação dele antes mesmo do julgamento começar.

A influencer tomou essa decisão justamente porque teve problemas com a antiga promotora. “Com a doutora Fernanda, infelizmente, a gente não estava tendo nenhuma conversa, ela não respondia aos e-mails”, destacou Mari.

O juiz Rudson Marcos, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, explica que a questão jurídica exige que ela se manifeste claramente se quer ou não ser representada pela defensoria pública. O defensor, então, diz que não pode garantir a sua participação, em caso de continuidade, pois foi designado somente para aquela audiência.

Quando Mariana demonstra que tem conhecimento sobre o fato de revogar a defensoria e e deixar somente nas mãos do Ministério Público, o advogado do réu, Cláudio Gastão da Rosa Filho, dá uma risada.

Com menos de cinco minutos de audiência, Mariana começa a chorar e se exalta com o advogado de defesa, pois ele solicita que um fiscal vá até o escritório em que ela estava, por ser de um advogado amigo da família da moça. A influencer também questiona os participantes a audiência por criarem problemas.

“Vocês estão querendo arrumar problema porque eu estou acompanhada de um advogado da família que não está nem no caso?”, pergunta Mariana.

0

Ofensas

A audiência dura cerca de três horas. Em vários momentos o advogado ofende Mariana. Ele mostrou várias fotos de Mariana durante a audiência e definiu as imagens como “ginecológicas”. Além disso, Gastão também disse que “jamais teria uma filha do nível” de Mariana e chamou o choro dela de “falso” e “dissimulado”.

Cláudio pede para que Mariana forneça o endereço do escritório em que ela se encontra pelo fato da jovem não conseguir filmar o ambiente inteiro pois a tela de seu computador era fixa. A influencer então responde falando para o advogado fornecer também o endereço de André de Camargo Aranha, o acusado, que nunca foi achado nenhum endereço que ele disponibilizou.

O advogado pergunta para Mariana quem pode tê-la drogado. Ela diz que não sabe, pois existem muitas opções e que essa questão “seria esclarecida com as 37 câmeras que desapareceram, o que mostra claramente uma obstrução de provas”.

Mariana Ferrer solicita ao juiz a quebra do sigilo processual. Para a influencer, é necessário ter transparência e como existe clamor popular no caso, as pessoas têm que estar ciente sobre o que está dentro do processo.

A mãe de Mari, Luciane Aparecida Borges, prestou depoimento como informante, em razão do parentesco com a vítima. O amigo de André, Roger Rodrigues, também depôs como testemunha.

Após todos os depoimentos e alegações, o juiz aceitou a argumentação de que André cometeu um “estupro culposo”, um “crime” não previsto na lei brasileira. Porém, como ninguém pode ser condenado por um crime que não existe, o réu foi absolvido.

Últimas notícias