Tudo em um dia: Botucatu prepara vacinação em massa contra a Covid

Prefeitura de Botucatu pretende, com apoio do TRE-SP, aplicar o imunizante na população inteira em um só dia, usando esquema de eleição

atualizado 06/05/2021 17:56

Vacina AstraZenecaJoaquin Gomez Sastre/NurPhoto via Getty Images

São Paulo – A prefeitura de Botucatu, no interior de São Paulo, assinou um acordo de cooperação com o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) para realizar vacinação em massa contra a Covid-19, usando mesmo esquema de organização seccional adotado nas eleições.

A iniciativa da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), que pretende avaliar a eficácia da fórmula de Oxford/AstraZeneca, prevê que todos os botucatuenses receberão o imunizante em um só dia. O TRE fornecerá a listagem de colégios eleitorais e seções eleitorais para a vacinação.

Contatada pelo Metrópoles, a prefeitura de Botucatu informou que a data, o local de imunização e os critérios para participação deverão ser divulgados na semana que vem. O município tem cerca de 150 mil habitantes, dos quais 106 mil maiores de 18 anos.

De acordo com o plano estratégico, cada pessoa deverá se deslocar para sua seção eleitoral, isto é, respectivos locais de votação. Lá, passará por uma triagem feita com título eleitoral, documento de identificação e comprovante de residência.

Posteriormente, a Justiça Eleitoral enviará uma identificação de autorização para o cidadão comparecer ao ponto de vacinação, que será no mesmo local do voto. Ao todo, serão 45 estabelecimentos definidos, com 303 seções de imunização.

Para facilitar a triagem e identificação dos botucatuenses, a 26ª Zona Eleitoral – Botucatu tem divulgado comunicados em que convida cidadãos que foram mesários durante os pleitos a participar da campanha.

Inscrições acima do esperado

De acordo com o chefe do cartório, Igor Ignácio, 1,2 mil inscrições foram feitas até o momento – número superior ao necessário, de 800 voluntários.

Segundo o TRE, a triagem será facilitada a partir da relação de eleitores de Botucatu. O cidadão que lá mora e não tiver o título na cidade poderá comprovar sua residência com outro documento. Neste caso, a documentação é aceita como comprovante e os pontos de imunização específicos serão definidos pela prefeitura.

Pelo projeto, toda a população de Botucatu receberá duas doses da vacina, e os casos positivos na região serão sequenciados geneticamente. Dessa forma, será possível saber a efetividade do imunizante produzido no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em um estudo que deve demorar por volta de oito meses.

Últimas notícias