SP reduz de cinco para quatro meses intervalo para dose de reforço

Medida será adotada pela capital a partir desta quinta (2/12), e vale para quem tomou as duas doses de Coronavac, Pfizer ou Astrazeneca

atualizado 02/12/2021 15:37

Na imagem colorida uma mão aplica seringa com vacina em braçoRafaela Felicciano/Metrópoles

São Paulo – O estado de São Paulo vai reduzir de cinco para quatro meses o intervalo da dose de reforço das vacinas contra a Covid-19. Na capital, a mudança vale a partir desta quinta-feira (2/12), e outras cidades deverão decidir quando começarão a adotar a redução.

O anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB) em seu perfil no Twitter nesta tarde. Atualmente, em todo o estado, quem foi imunizado com Coronavac, Pfizer ou AstraZeneca pode tomar a dose de reforço, ou terceira dose, cinco meses após ter completado o esquema vacinal.

“São Paulo é porta de entrada do Brasil e o país infelizmente não exige esquema vacinal completo dos viajantes”, publicou o governador do Twitter ao publicar a novidade.

0

Já quem tomou a dose única da Janssen há ao menos dois meses pode tomar a vacina da Pfizer como reforço.

O anúncio ocorre após a chegada da variante Ômicron no Brasil, sendo os três casos identificados em São Paulo. Na última terça (30/11), foi confirmada a contaminação de um casal vindo da África do Sul.

O anúncio ocorre após a chegada da variante Ômicron no Brasil, sendo os três casos identificados em São Paulo. Na última terça (30/11), foi confirmada a contaminação de um casal vindo da África do Sul.

Já na quarta (1/12), foi confirmada que um homem que veio da Etiópia também está com a variante. Os três desembarcaram no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Mais lidas
Últimas notícias