SP: junho tem pior cenário da segunda onda de Covid

A baixa adesão ao isolamento social e a presença de novas variantes, mais contagiosas, podem ser o motivo de agravamento dos indicadores

atualizado 24/06/2021 15:17

Hospital de Campanha Pedro Dell'Antonia de Santo André - São PauloFábio Vieira/Metrópoles

São Paulo – Dados epidemiológicos revelam que o mês de junho teve o pior cenário da pandemia de Covid-19 no estado de São Paulo, superando o mês de abril. São 358.208 novas confirmações da doença até a quarta-feira (23/6), contra 341.713 casos registrados do dia 1º a 23 de abril deste ano.

Os índices apontam aumento no número de infectados há 13 dias seguidos. A média diária de novos casos era de 17.183 nesta quarta, valor 69% maior do que o verificado há 14 dias. Este indicador se mantém acima dos 17 mil há oito dias. O número de mortes também está em alta.

A baixa adesão ao isolamento social e a presença de novas variantes, mais contagiosas, podem ser o motivo da piora nos indicadores, segundo especialistas ouvidos pelo G1.

O governo do estado de SP adiou a ampliação do horário de funcionamento do comércio até as 22h, e manteve a fase atual das medidas de restrição até o dia 15 de julho. Lojas, shoppings, academias, salões de beleza e restaurantes podem operar até 21h. Para tentar conter o avanço da contaminação, 127 cidades já determinaram regras mais rígidas do que a proposta da gestão estadual.

Na última terça-feira (23/6), a vacinação foi suspensa na capital, por uma falha na distribuição de doses de vacinas pelo governo do estado.

Últimas notícias