Sob vaias, servidores da prefeitura fazem vistoria na Bienal do Rio

Ao todo, 15 funcionários foram ao local para tentar identificar e lacrar livros considerados impróprios para crianças

NAYRA HALM/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDONAYRA HALM/AGÊNCIA O DIA/ESTADÃO CONTEÚDO

atualizado 06/09/2019 15:13

Na tarde desta sexta-feira (06/09/2019), 15 funcionários da Secretaria Municipal de Ordem Pública (SEOP) chegaram à Bienal do Livro, no Riocentro, para identificar e lacrar livros considerados impróprios. Enquanto procuravam por exemplares da HQ Vingadores – A Cruzada das Crianças foram vaiados por pessoas que estavam no local.

“Se o material não estiver seguindo as recomendações, se for material pornográfico, oferecido sem as normas, será recolhido”, disse Wolney Dias, subsecretário operacional da SEOP.

a

O prefeito do Rio de Janeiro (RJ), Marcelo Crivella (PRB), anunciou na noite dessa quinta-feira (05/09/2019) uma determinação para que organizadores da Bienal do Livro recolhessem os gibis que mostram os personagens Wiccano e Hulkling como namorados. Segundo Crivella, o quadrinho oferece “conteúdo sexual para menores”. Os exemplares do HQ, no entanto, esgotaram em apenas 29 minutos. Os fiscais não encontraram exemplares.

A Prefeitura informou que a medida não se trata de homofobia, mas sim do respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que recomenda que “publicações com cenas impróprias a crianças e adolescentes sejam comercializadas com lacre”.

De acordo com a presidente da Comissão de Direitos da Criança e do Adolescente da OAB, Suzana do Monte Moreira, a determinação do estatuto só se aplica nos casos em que há imagens de nudez ou sexo explícito. No caso do livro da Marvel, há somente uma imagem de um beijo entre dois homens inteiramente vestidos dentro do livro, não na capa. (Com Agência Estado)