Como ocorre com qualquer tendência, as preferências por viagens mudam de tempos em tempos. E, de tempos em tempos, novos levantamentos aparecem mostrando qual é o perfil do momento do viajante. É o caso de uma recente pesquisa realizada pelo buscador de viagens Kayak que mostrou, entre outras curiosidades comportamentais, que viajar continua sendo, pelo segundo ano consecutivo, nosso investimento financeiro preferido.

Foram entrevistados 1.006 brasileiros, entre 18 e 65 anos, de 3 a 10 de janeiro deste ano. A pesquisa faz parte de uma outra global, realizada pela plataforma em 22 países. A seguir, você confere qual o perfil do viajante brasileiro de acordo com este levantamento e também de acordo com uma outra pesquisa realizada pelo Voopter, aplicativo de busca de passagens.

Com o que gastamos mais?
Entre os entrevistados, 37% respondeu que prefere gastar com viagens, seguido de gastos com a casa (reformas e decoração: 22%); eletrônicos (12%); roupas (11%); alimentação (11%); e cultura (2%) – o que é curioso, já que viajar é ir ao encontro de novas culturas e do aprendizado sobre elas. Contudo, a preferência por viagens caiu 6% em comparação ao levantamento do ano passado. Alta do dólar e instabilidade política podem explicar a queda, segundo o líder de operações do Kayak, Eduardo Fleury.

Qual o perfil de destino que mais buscamos?
Praia e verão é dobradinha da paixão nacional. Segundo a pesquisa, 67% das pessoas acham que as férias ideais para 2019 são no litoral. Em segundo lugar vem quase a mesma opinião: para 32%, trata-se de alugar uma casa de verão – imaginemos que boa parte considere na praia, certo? Depois temos tours urbanos (30%) e roadtrips (30%).

Um outro levantamento, do buscador de passagens aéreas Voopter, mostra que os brasileiros têm buscado viagens mais personalizadas, com experiências que fujam do feijão com arroz turístico de um local. Segundo o aplicativo, os destinos nacionais mais buscados nos primeiros meses de 2019 são: São Paulo, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e Fortaleza. Com exceção do primeiro, todos com praia. Lisboa, Miami, Buenos Aires, Santiago do Chile e Nova York são os internacionais.

Com o que gastamos mais nas viagens?
Sem contar o aéreo e a hospedagem, nosso dinheiro é gasto sobretudo com alimentação: 48% dos entrevistados disseram que investem na parte gastronômica da viagem (bares e restaurantes), e 78% diz escolher um destino com base na sua culinária. Mas não saímos muito do que uma cidade como São Paulo oferece bem: 43% diz preferir a cozinha italiana, um número imensamente maior do que o segundo lugar, que é a comida japonesa, com 11%.

Depois da gastronomia, passeios e compras dividem a preferência, cada um com 42% dos votos viajantes.

Onde preferimos nos hospedar?
Apesar da crescente busca por hospedagem compartilhada ou imóveis de aluguel, a pesquisa do Kayak mostra que, de longe, ainda são os hotéis a preferência nacional: 77% escolheu este tipo de hospedagem. Querem, talvez, seus benefícios: café da manhã incluído (77% pensam nisso) e Wi-Fi incluído (71% desejam isso). E quanto gastamos com hospedagem? 32% dos entrevistados dizem gastar entre R$ 151 e R$ 300 com a diária; 24% diz gastar menos do que este valor.

Como buscamos passagens?
Online, claro. Segundo o Voopter, tem crescido muito a busca por passagens aéreas em metabuscadores de forma geral. No caso dele, essa busca cresceu 20% em relação a 2018 e 817% desde sua criação, em 2013. E se pensarmos que 32% dos entrevistados do Kayak disseram que buscar passagens mais baratas é estressante, o aumento do uso de plataformas que fazem boa parte do serviço para nós faz todo sentido.

Quem é o viajante brasileiro?
O Voopter apontou um levantamento da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV) que mostra que há cada vez mais brasileiros com mais de 65 anos viajando. Hoje, cerca de 15% dos pacotes turísticos são vendidos para esta faixa etária. E como nossa população vem envelhecendo, essa porcentagem deve aumentar.

O brasileiro também tem investido em viagens solo e com segurança. De acordo com o levantamento do Kayak, 49% dos entrevistados já viajaram a lazer sozinhos; 26% nunca o fizeram, mas gostariam; e 24% não pretendem ir desacompanhado.

E, segundo o Voopter, a busca por seguro viagem – que, não custa lembrar, é imprescindível para assegurar atendimento médico no exterior sem cobranças altíssimas – também tem crescido, apesar de ainda tímida, principalmente em São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Minas Gerais.

Por fim, segundo as pesquisas, não há muito amor de verão entre os brasileiros ou, no mínimo, ele não sobe a serra. Isso porque, de acordo com a pesquisa do Kayak, 65% dos entrevistados dizem nunca ter se apaixonado numa viagem. A maioria dos ditos apaixonados (32%) é homem: 37% contra 27% de mulheres. E o cenário dos encontros românticos, qual é? Praias, claro – foi o que respondeu 31%. Em seguida vem passeios (20%), grupos de viagem (19%) e hotéis/hostels (19%)