Como serão as provas do Enem 2020, com adiamento, mudanças e Covid-19

Segundo o Inep, R$ 64 milhões estão sendo investidos em medidas de prevenção contra a Covid-19 durante as provas

atualizado 12/01/2021 8:28

UnBRafaela Felicciano/Metrópoles

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está cada vez mais próximo. Neste ano, 5,78 milhões de estudantes confirmaram a inscrição para as provas, que têm a primeira etapa prevista para o domingo (17/1).

Em um cenário de pandemia, com suspensão de atividades escolares presenciais e aulas virtuais, e, sobretudo, incertezas, as provas do Enem serão marcadas por uma série de mudanças.

As maiores modificações são na organização das salas, que ganharão uma dinâmica especial em decorrência da pandemia de Covid-19. Além disso, neste ano, o Enem terá duas modalidades: impressa e digital.

Veja, a seguir, quais serão as principais mudanças e o cronograma oficial das provas.

Adiamento

Desde o início da pandemia, estudantes de todo o país pedem o adiamento das datas de aplicação do Enem. No começo de 2020, as provas estavam previstas para os dias 1º e 8 de novembro.

No entanto, após a pressão de movimentos estudantis, que ressaltaram os riscos à saúde e a precariedade gerada pela pandemia nas condições de estudo, as provas foram adiadas para janeiro de 2021.

Agora, organizações estudantis pedem, mais uma vez, que as datas das provas sejam alteradas. Na última sexta-feira (8/1), a Defensoria Pública da União (DPU) chegou a pedir o adiamento das provas à Justiça Federal de São Paulo, alegando falta de segurança em vista do aumento dos casos de Covid-19.

0

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que organiza as provas, respondeu a Justiça afirmando que a aplicação das provas nas datas marcadas é “perfeitamente possível e segura para todos os envolvidos”.

O Inep afirmou, ainda, que preparou uma série de medidas de segurança para evitar a contaminação dos participantes pela Covid-19. Portanto, até o momento, não há previsão de adiamento das provas, e os exames seguem nas datas já marcadas: 17 e 24 de janeiro (Enem impresso) e 31 de janeiro e 7 de fevereiro (Enem digital).

Covid-19

Questionado pela reportagem, o Inep afirmou que R$ 64 milhões estão sendo investidos em medidas de prevenção à Covid-19 durante as provas. O instituto afirma que os protocolos de segurança foram definidos em parceria com as empresas que farão as aplicações do exame, baseados nas diretrizes do Ministério da Saúde (MS).

O instituto garante que a ocupação das salas de aula será reduzida para 50% da capacidade máxima. Além disso, para fazer o Enem, será obrigatório o uso de máscaras de proteção facial: quem desrespeitar a medida poderá ser eliminado do exame. O estudante poderá retirar a máscara apenas para ingerir alimentos e bebidas. Também será permitido trocar o acessório durante o exame.

O Inep também afirma que os locais de prova serão higienizados e organizados “para garantir o distanciamento social adequado”. Os fiscais de sala distribuirão álcool em gel para os participantes durante todo o exame.

0

Os estudantes considerados integrantes de grupos de risco, como idosos, gestantes e pessoas com doenças respiratórias, poderão fazer as provas em uma sala com a capacidade reduzida, que terá apenas 25% da ocupação máxima. No entanto, esses participantes precisam ter sinalizado a opção de ensalamento diferenciado durante a inscrição no Enem.

Quem estiver infectado com Covid-19 ou tiver sintomas da doença nos dias do exame não deve comparecer ao local da prova. A recomendação do Inep é para que essas pessoas entrem na Página do Participante, no site do instituto, para comunicar e comprovar a situação. Neste caso, os estudantes poderão fazer o exame em outra data definida pelo Inep.

Outras mudanças

Além da questões sanitárias, a principal novidade nesta edição do Enem é a possibilidade de fazer a prova em formato digital. Desta vez, a aplicação ocorrerá em “modelo-piloto”, conforme afirma o Inep, para aproximadamente de 100 mil pessoas. No entanto, a previsão é de que até 2026 o modelo seja consolidado.

A prova digital terá a mesma estrutura do exame impresso: 180 questões e redação. Os temas, no entanto, serão diferentes, já que as duas modalidades serão aplicadas em datas diversas. Os resultados serão divulgados de forma conjunta.

No futuro, o Inep pretende expandir a aplicação de provas no formato digital. “Do ponto de vista técnico, o Enem Digital vai permitir a utilização de novos tipos de questões, com vídeos, infográficos e até com a lógica de games. Também será possível aplicar o Enem em mais municípios, aproximando o exame dos brasileiros”, defende o Inep.

Outra novidade em 2020 é o modelo do caderno de questões e do cartão-resposta: agora, a foto dos participantes estará impressa nos documentos.

Além disso, desta vez, participantes transexuais e travestis poderão escolher qual banheiro desejam utilizar durante a aplicação das provas. Outra modificação irá beneficiar mulheres lactantes: as que tiverem comprovado a condição, no momento da inscrição para a prova, terão tempo adicional de 60 minutos para a realização do exame.

Calendário oficial do Enem 2020
  • Prova impressa: 17 e 24 de janeiro de 2021.
  • Prova digital: 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2021.
  • Reaplicação das provas e Enem para Pessoas Privadas de Liberdade (PPL): 23 e 24 de fevereiro de 2021.
  • Resultados: 29 de março de 2021.

Mais informações na página do Inep.

Últimas notícias