Weintraub terá salário de R$ 116 mil e “promoção” causa insatisfação no STF

Ex-ministro da Educação foi indicado ao Banco Mundial. Ele é investigado no Supremo Tribunal no inquérito das fake news

atualizado 19/06/2020 14:22

Andre Borges/Esp. Metrópoles

Ao fazer as malas rumo a Washington, nos Estados Unidos, o ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, terá um aumento de salário de quase 400% mensais. Os vencimentos dele passarão dos R$ 30.934, pago a um ministro, para US$ 21.547 (quase R$ 116 mil) na direção do Banco Mundial.

Weintraub deixou o Ministério da Educação depois de uma série de polêmicas e de declarações dadas em redes sociais. Ele é investigado no Supremo Tribunal Federal (STF) no inquérito das fake news por ter falado em prisão de ministros da Corte e os xingado de “vagabundos”. Weintraub também enfrenta outra ação por suposta prática de racismo ao ironizar a China.

No STF, os ministros não encararam bem a indicação de Weintraub  para o Banco Mundial. Apesar de ter menos potencial ofensivo longe do Palácio do Planalto, integrantes da Suprema Corte entendem a nova atribuição como uma “demissão premiada”.

0

O salário será livre de impostos — por ser funcionário internacional, ele não é cobrado pela Receita Americana —, situação diferente de quando chefiava a pasta da Educação. Ele foi indicado e, se confirmado, assumirá o cargo de diretor executivo do Grupo de Acionistas que o Brasil representa no Banco Mundial, que inclui Colômbia, Filipinas, Equador, República Dominicana, Haiti, Panamá, Suriname e Trinidad e Tobago.

Segundo o Banco Mundial (Bird), Weintraub será diretor somente até o próximo dia 31 de outubro. Ele cumprirá o restante do atual mandato de Fábio Kanczuk, que deixou o cargo em 2019 para ser diretor de política econômica do Banco Central (BC).

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) havia antecipado a nomeação dele quando anunciou a exoneração do ministro da Educação. Weintraub alega “lutar pela liberdade”. O ex-ministro da Educação disse em uma rede social, nesta sexta-feira (19/06), que vai sair do país.

As atitudes do ex-ministro geraram desconforto entre o Judiciário e o Executivo e, por isso, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu fazer um gesto amigável à Corte.

Ainda não se sabe de a mudança de Weintraub para os EUA irá impactar nas investigações. Em nota, o STF informou que é preciso ” aguardar eventual manifestação do relator”. O ministro Edson Fachin é o relator do inquérito das fake news. O ministro Alexandre de Moraes é o relator do inquérito que apura denunciações caluniosas, ameaças e infrações que podem configurar crimes e atingir a Corte.

Mais lidas
Últimas notícias