Venezuela: Mourão diz que decisão de Guaidó “não foi a melhor”

O líder oposicionista ao regime de Nicolás Maduro convocou manifestações e greves gerais no país até a saída do presidente

Romério Cunha/VPR

atualizado 02/05/2019 15:09

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão garantiu, nesta quinta-feira (02/05/2019), que o Brasil não deve tomar mais decisões sobre a crise na Venezuela e que resta aguardar o que já foi decidido.

“Aguardemos os acontecimentos. O que nós temos que fazer é colocar combustível em Roraima para as termoelétricas funcionarem. Isso já está sendo colocado”, afirmou.

Mourão disse não estar no “sapato” do líder oposicionista Juan Guaidó para entender as ações do venezuelano, mas que o líder deveria ter informações que sustentassem a convocação dos atos. “Não sei se tinha medo de ser preso, se alguns elementos das forças armadas tinham prometido determinado apoio, não sei quais dados ele tinha”, completou. Segundo o vice, a decisão do venezuelano “não foi a melhor”.

A respeito da condecoração que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) deu a Mourão e a Olavo de Carvalho, o general preferiu não exprimir opiniões pessoais. “Parabéns a todos que receberam”, limitou-se. Recentemente, os homenageados trocaram farpas pelas redes sociais, crise que foi ampliada com as críticas de Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) ao vice.

Sobre a viagem à China, prevista para acontecer neste mês, Mourão informou que está fechando as propostas a serem aprovadas por Bolsonaro e levadas ao país.

Últimas notícias