TSE contradiz Bolsonaro e defende resultado das eleições de 2018

A Corte superior divulgou uma nota, na tarde desta terça-feira, na qual assegura a confiabilidade do processo eleitoral

atualizado 10/03/2020 16:58

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou uma nota para garantir a segurança e a confiabilidade do resultado das eleições de 2018. O esclarecimento, publicado na página oficial da corte na tarde desta terça-feira (10/03/2020), vem um dia após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acusar de fraude, sem apresentar provas, o pleito de 2018. Na ocasião, o chefe do Executivo afirmou que venceu “no primeiro turno”.

Sem citar Bolsonaro no texto, o TSE argumenta que, “ante a recente notícia, replicada em diversas mídias e plataformas digitais, quanto a suspeitas sobre a lisura das eleições 2018, em particular o resultado da votação no 1º turno, o Tribunal Superior Eleitoral reafirma a absoluta confiabilidade e segurança do sistema eletrônico de votação e, sobretudo, a sua auditabilidade, a permitir a apuração de eventuais denúncias e suspeitas, sem que jamais tenha sido comprovado um caso de fraude, ao longo de mais de 20 anos de sua utilização.”

A Corte superior salientou que o sistema brasileiro de votação e apuração é reconhecido internacionalmente pela eficiência e confiabilidade. “Embora possa ser aperfeiçoado sempre, cabe ao tribunal zelar por sua credibilidade, que até hoje não foi abalada por nenhuma impugnação consistente, baseada em evidências”, diz o texto.

Em 2019, numa entrevista ao SBT, Bolsonaro falou sobre a suspeita de fraude nas eleições citando uma suposta incongruência no resultado preliminar da apuração com o resultado final.

“Teve uma passagem no ano passado, por ocasião das eleições, que me deixou bastante intrigado. Apareceu uma fotografia na televisão do TSE da apuração para presidente da República. Dizia o seguinte: Nordeste, que é a base do PT com 80% [dos votos] apurados; Sudeste, que é oposição ao PT com 20% apenas apurados. As outras três regiões com cerca de 60% apurados. Resultado naquele momento: 49% [dos votos] pra mim”, disse. “Agora, a tendência, entrando o Sudeste, 80%, e o Nordeste, 20%, era de ganhar com 55%, 56%, isso não aconteceu, foram mantidos os 49%. É um grande indício de que poderiam estar mexendo no algoritmo”, acusou Bolsonaro.

Últimas notícias