Secretária contradiz Pazuello sobre crise do oxigênio em Manaus

Mayra Pinheiro prestou depoimento à CPI da Covid e afirmou que o ex-ministro da Saúde soube da crise sanitária no dia 8 de janeiro

atualizado 25/05/2021 17:03

Mayra Pinheiro_CPI da CovidRafaela Felicciano/Metrópoles

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, afirmou, nesta terça-feira (25/5), que não houve percepção de que faltaria oxigênio em Manaus enquanto esteve na capital amazonense, entre os dias 3 e 5 de janeiro deste ano.

“Não houve uma percepção que faltaria. Pelo que eu tenho de provas, é que nós tivemos uma comunicação por parte da secretaria estadual, que transferiu para o ministro um e-mail da White Martins, dando conta de que haveria um problema de abastecimento, segundo eles, mencionado como um problema na rede”, declarou Mayra à CPI da Covid.

Segundo a secretária, a finalidade da viagem a Manaus foi fazer um relatório de prospecção e, quando a médica soube do desabastecimento de oxigênio hospitalar, não estava mais na capital do Amazonas.

Veja como foi a audiência:

A declaração da secretária, no entanto, contraria depoimento do general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde. Mayra Pinheiro disse aos senadores que a comunicação da empresa teria sido feita no dia 8 de janeiro. Já Pazuello, no entanto, afirmou à CPI que só foi informado da falta de oxigênio em Manaus dois dias depois.

“Eu estive em Manaus até o dia 5 [de janeiro]. O ministro teve conhecimento do desabastecimento de oxigênio em Manaus creio que no dia 8 e ele me perguntou: ‘Mayra, por que você não relatou nenhum problema de escassez de oxigênio?'”, afirmou aos senadores.

Depoimentos

Mayra é a nona depoente do colegiado. Antes dela, os senadores ouviram os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do atual chefe da Saúde, Marcelo Queiroga.

0

 

O ex-chanceler Ernesto Araújo, o gerente-geral da Pfizer para a América Latina, Carlos Murillo, o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten e o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, também prestaram depoimento.

A CPI da Covid-19 tem o objetivo de investigar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia e, em especial, no agravamento da crise sanitária no Amazonas com o desabastecimento de oxigênio hospitalar, além de apurar possíveis irregularidades em repasses federais a estados e municípios.

Últimas notícias