Randolfe após perdão a Silveira: “Bolsonaro quer atear fogo no Brasil”

Líder da oposição no Senado Federal criticou o presidente Jair Bolsonaro por ter concedido graça ao deputado bolsonarista condenado pelo STF

atualizado 21/04/2022 18:50

Randolfe Rodrigues_CPI Jefferson Rudy/Agência Senado

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no Senado Federal, afirmou, nesta quinta-feira (21/4), que o presidente Jair Bolsonaro (PL) quer “atear fogo no Brasil” ao perdoar as penas impostas ao deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ). Ele foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a pena de 8 anos e 9 meses de prisão, inelegibilidade e multa.

De Portugal, onde cumpre agenda oficial, o parlamentar disse ainda que vai entrar com uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no Supremo “para derrubar esse desmando”.

“Bolsonaro quer atear fogo no Brasil, concedendo graça a um delinquente condenado a mais de 8 anos, antes mesmo do trânsito em julgado”, afirmou o senador, nas redes sociais. “Crimes contra a ordem constitucional não podem ser passíveis deste benefício (art. 5, XLIV) e iremos ao STF, para derrubar esse desmando por meio uma ADPF!”, acrescentou.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
Publicidade do parceiro Metrópoles 7
Publicidade do parceiro Metrópoles 8
Publicidade do parceiro Metrópoles 9
Publicidade do parceiro Metrópoles 10
0

Randolfe afirmou que a “concessão de graça ou indulto não altera a inelegibilidade da Ficha Limpa” e, desta forma, “Silveira seguirá banido da vida pública, caso se livre da cadeia!”

Condenação de Silveira

Após uma longa votação que teve início na tarde da quarta-feira (20/4), o STF condenou, por 10 votos a um, Silveira a inelegibilidade, prisão de 8 anos e 9 meses em regime fechado, além do pagamento de multa de R$ 192,5 mil. Único voto divergente foi de Nunes Marques.

Silveira responderá pelo crime de tentar impedir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício de qualquer Poder da União ou dos estados, além do crime de coação no curso do processo.

 

Mais lidas
Últimas notícias