Petrobras anuncia pedido de demissão do presidente José Mauro Coelho

Ele vinha sendo pressionado a deixar o cargo. Bolsonaro já indicou novo nome, que precisa ser aprovado pelo Conselho de Administração

atualizado 20/06/2022 11:03

José Mauro Ferreira Coelho, Presidente da PetrobrasMinistério de Minas e Energia

A Petrobras comunicou, na manhã desta segunda-feira (20/6), que José Mauro Coelho pediu demissão do cargo. Coelho cedeu à pressão do presidente Jair Bolsonaro (PL), que tem afirmado que o conselho da Petrobras está “boicotando” o novo ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, ao não se reunir para votar as novas indicações feitas pelo governo para o comando da empresa.

A nomeação de um presidente interino será examinada pelo Conselho de Administração da Petrobras a partir de agora, conforme anunciou a companhia em comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Minutos depois do anúncio, a Ibovespa suspendeu as negociações das ações da Petrobras, em razão da demissão do presidente da empresa comunicada à CVM.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

Em maio, Bolsonaro indicou o quarto nome para presidir a Petrobras: Caio Mário Paes de Andrade, que ocupava a Secretaria de Desburocratização do Ministério da Economia, pasta sob o comando do ministro Paulo Guedes. Ele deve entrar no lugar de Coelho.

A renúncia de José Mauro Coelho ocorre dias após reajustes nos preços dos combustíveis. O litro da gasolina vendido às distribuidoras passou de R$ 3,86 para R$ 4,06 – um aumento de 5,18%; no caso do diesel, de R$ 4,91 para R$ 5,61 (14,26%).

O reajuste foi anunciado depois de quase 100 dias sem alterações nos custos do insumo. O Conselho de Administração da Petrobras aprovou o aumento em reunião extraordinária realizada na quinta-feira (16/6). O encontro que decidiu pelo reajuste aconteceu durante o feriado, em convocação de emergência.

Com o impasse entre as demandas do governo e do Congresso, que solicitam valores mais baixos, e do mercado, que insiste na política de preço de paridade de importação (PPI), o conselho apostou no aumento. Compete à maioria dos participantes a atribuição de tomar esse tipo de decisão, conforme disposto no estatuto da entidade.

CPI da Petrobras

Na última sexta-feira (17/6), o presidente Bolsonaro propôs instalar uma comissão parlamentar de inquérito (CPI), no Congresso Nacional, para investigar o presidente, os diretores e o conselho administrativo e fiscal da Petrobras.

Nesta segunda, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) disse que uma possível CPI “não vai nem andar”. Isso por uma questão de timing político, tendo em vista a proximidade do calendário eleitoral.

O colunista do Metrópoles Igor Gadelha apurou que aliados devem tentar convencer Bolsonaro a desistir da ideia de patrocinar uma CPI.

A avaliação na bancada governista é que o presidente lançou a ideia em um momento de irritação com o aumento de preços anunciado pela estatal, mas que, com calma, perceberá que a iniciativa seria “um tiro no pé”.

Interlocutores do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que chegou a pedir a renúncia de José Mauro Coelho, explicam que, como é o governo que nomeia o presidente da Petrobras e boa parte do conselho diretor, são altas as chances de que uma CPI atinja o próprio Palácio do Planalto.

Receba notícias do Metrópoles no seu Telegram e fique por dentro de tudo! Basta acessar o canal: https://t.me/metropolesurgente.

Mais lidas
Últimas notícias