Para empresários árabes, Bolsonaro repete que Amazônia não pega fogo

Presidente fez a declaração diante de empresários e autoridades árabes que participavam de fórum de investimentos, nos Emirados Árabes

atualizado 15/11/2021 12:46

Bolsonaro visita à Planta Industrial da BRF nos Emirados ÁrabesAlan Santos/PR

Enviada especial aos Emirados Árabes – O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou, nesta segunda-feira (15/11), diante de empresários e autoridades árabes, que a Amazônia é “úmida” e “não pega fogo”. 

A declaração foi feita durante o Invest In Brazil Forum, realizado em Dubai e organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex). O evento contou com a participação de mais de 300 empresários e executivos brasileiros. Ministro do governo, autoridades e investidores árabes também participaram do fórum.

0

Não é a primeira vez que o chefe do Executivo federal fala isso. Em 2020, por exemplo, em transmissão ao vivo nas redes sociais, ele fez a mesma observação e afirmou que há uma “seita ambiental” europeia, cujo interesses são estimular uma “briga comercial” para prejudicar o agronegócio brasileiro.

Durante o discurso, Bolsonaro disse que os “ataques” que o Brasil sofre quando relacionados ao meio ambiente “não são justos” e convidou os investidores árabes para conhecerem a Amazônia “de fato”.

“Nós queremos que os senhores conheçam o Brasil de fato. Uma viagem, um passeio pela Amazônia. É algo fantástico. Até para que os senhores vejam que, a nossa Amazônia, por ser uma floresta úmida, não pega fogo. Que os senhores vejam, realmente, o que ela tem. Com toda certeza uma viagem inesquecível”, declarou o presidente.

Bolsonaro lembrou que a Amazônia é um patrimônio brasileiro. “E vocês lá comprovarão isso e trarão realmente uma imagem que condiz com a realidade. Os ataques que o Brasil sofre, quando se fala em Amazônia, não são justos. Mais de 90% daquela área está preservada. Está exatamente igual a quando foi descoberta no ano de 1500. A Amazônia é fantástica”, prosseguiu.

Veja o vídeo:

Críticas à política ambiental

Desde 2019, o governo do presidente Bolsonaro tem sido criticado pela forma como tem conduzido a questão do desmatamento na Amazônia. De acordo com números divulgados pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), a Amazônia Legal teve uma área de 877 km² sob alerta de desmatamento, uma alta de 5% em relação a 2020 e recorde para o mês de outubro na série histórica.

Dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa, do Observatório do Clima, mostram que o Brasil tem aumentado o total de gás carbônico emitido para a atmosfera, apesar de ter firmado um acordo de redução há mais de 10 anos.

Segundo o Observatório do Clima, a quantidade de gás carbônico emitida pelo Brasil em 2020 foi a maior desde 2016. Desde 2010, o país elevou em 23% o valor de gases de efeito estufa.

Discurso de ministros

O ministro da Economia, Paulo Guedes, também participou fórum de investimentos. Em seu discurso, voltou a dizer que o Brasil tem apresentado um bom desempenho econômico apesar da pandemia de coronavírus. 

Guedes afirmou que o país “prossegue com as reformas” necessárias. Apesar disso, as reformas administrativa e tributária encontram dificuldades em avançar no Congresso Nacional. 

O ministro ainda disse que os Emirados Árabes disse que espera que a parceria entre Brasil e Emirados sejam “bem sucedida”. “São sócios ideias para os recursos que nós temos no Brasil”, afirmou.

Além de Guedes, outro ministro presente no Invest In Brazil Forum e que discursou no evento, foi o chanceler Carlos França. 

Em sua fala, o ministro do Itamaraty repetiu as metas anunciadas pelo Brasil durante a COP 26 de reduzir emissões de gases e a previsão de zerar o desmatamento ilegal.

Brasil foi “atacado” na COP, diz presidente

No último sábado (13/11), durante conversa com a imprensa, o presidente Jair Bolsonaro disse que o Brasil foi “atacado” durante a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas de 2021 (COP 26), realizada em Glasgow, desde o início do mês.

O chefe do Executivo Brasileiro criticou, por exemplo, a China e os Estados Unidos, dizendo que os países não assinaram acordos internacionais. Na verdade, as duas nações assinaram um acordo bilateral com declaração conjunta sobre o reforço da ação climática.

“Ali [COP] é um local onde quase todos apresentam os problemas para os outros resolverem. Você pode ver. China, Índia, EUA não assinaram nada. Nós somos os que mais contribuímos para a não emissão de gases de efeito estufa e que por vezes mais pagamos a conta, mais somos atacados”, disse o presidente ao chegar no hotel em que está hospedado em Dubai.

Mais lidas
Últimas notícias