“Não errei nada”, diz Bolsonaro ao comentar gestão da pandemia

Presidente insistiu em afirmar que tem agido bem contra a Covid-19 e alegou que não se pode “fazer política em cima de cadáveres”

atualizado 27/04/2021 14:29

Bolsonaro e Guedes com apoiadoresHugo Barreto/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta terça-feira (27/4), a apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, que não errou “nada” nas medidas que vem defendendo para combater o novo coronavírus desde o início da pandemia, e voltou a negar que tenha minimizado a Covid-19.

“Me apresente um áudio meu, um vídeo meu falando que era uma gripezinha. Falei que pra mim seria uma gripezinha. Agora, O Globo mesmo divulgou agora, sem falarem meu nome, que quem tem uma boa saúde, quem dá uma caminhada, dá uma corrida, uma natação, faz algum exercício, aproximadamente oito vezes mais chance ele tem de passar pelo vírus ou sobreviver sem nenhum problema. Não errei sobre a vitamina D. Eu não errei nada. Eu converso, não tenho bola de cristal nem chuto. Converso com pessoas, né”, disse.

Na data em que o Senado Federal instala a CPI da Covid, Bolsonaro se queixou de quem faz política em cima da mortes causadas pela doença. “Não se pode fazer política em cima de cadáveres”, criticou.

O chefe do Executivo também afirmou que convidou a procuradora do trabalho do TCU para visitar regiões pobres. Nos últimos finais de semana, o presidente tem visitado regiões administrativas carentes do Distrito Federal e provocado aglomerações.

“A procuradora do Trabalho do TCU Cristina Machado me surpreendeu. A gente vê, acha que não tem ninguém do nosso lado. Ela falou da geladeira das pessoas pobres, como estão vivendo os pobres sem emprego. É uma coisa muito triste. Então, eu a convidei para as minhas saídas. Vou de moto, né. Se ela topar, vai de carro ou vai de moto se for motociclista. Só não vai na minha garupa se não minha esposa vai brigar ali”, disse.

“Quero mostrar com ela, se ela autorizar, a geladeira dessas pessoas. A gente decide no dia anterior para onde vai, para a gente mostrar o que tá acontecendo no Brasil”, continuou.

Café da manhã com ministros do TCU

O presidente recebeu, na manhã desta terça-feira, ministros do Tribunal de Contas da União (TCU) em um café da manhã no Alvorada. Também estavam presentes ministros do governo, como Paulo Guedes (Economia), Marcelo Queiroga (Saúde), Bento Albuquerque (Minas e Energia), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), Onyx Lorenzoni (Secretaria-Geral) e Fábio Faria (Comunicações).

O encontro, que não estava previsto na agenda oficial de Bolsonaro, coincide com a data de instalação da CPI da Covid, no Senado Federal, e visava prestar contas das ações do governo de combate à pandemia do novo coronavírus.

Três ministros da Corte de contas compareceram presencialmente: Jorge Oliveira (ex-ministro do governo Bolsonaro), Raimundo Carreiro e Augusto Nardes, e outros participaram por videoconferência. Bolsonaro disse que tem intenção de divulgar o encontro, mas não explicou o que foi tratado na conversa.

“Tivemos uma reunião agora com os ministros do TCU, metade foi videoconferência, né. Vou pedir… Como a reunião foi fechada, da minha parte e de alguns ministros, não tem nada demais mostrar o que aconteceu”, disse Bolsonaro a seus simpatizantes.

O mandatário também voltou a afirmar que não há corrupção em seu governo.

“Eu vou ligar para um ministro agora que falou uma coisa que ouvi no passado, quando havia uma reunião parecida, e era pra tratar sobre corrupção. E nós aqui, depois de dois anos e quatro meses, zero corrupção em nosso governo”, sustentou.

Na conversa com apoiadores, Bolsonaro estava acompanhado de Guedes. O vídeo da conversa foi divulgado por um canal no YouTube simpático ao presidente.

0

Últimas notícias