Moro diz que “não reconhece autenticidade” de novas mensagens vazadas

Em nota, o ministro da Justiça ressaltou que o material foi obtido de maneira criminosa, com invasão por hackers e deve ser investigado

atualizado 15/06/2019 13:49

Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Ministério da da Justiça e Segurança Pública divulgou nota à imprensa neste sábado (15/06/2019), na qual afirma que o ministro Sergio Moro “não reconhece a autenticidade” nem comentará supostas mensagens de autoridades públicas colhidas “por meio de invasão criminosa de hackers“.

A nota do ministério reitera que o diálogo pode ter sido adulterado e editado e ressalta “a necessidade de que o suposto material, obtido de maneira criminosa, seja apresentado à autoridade independente para que sua integridade seja certificada”.

Na noite de sexta-feira (14/06/2019), o site The Intercept divulgou outros trechos da reportagem “As mensagens secretas da Lava Jato”. Foram publicadas supostos diálogos entre Moro, então juiz titular da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), e o procurador da República Carlos Fernando dos Santos, da Lava Jato.

O atual ministro orientava Santos e seus colegas da Lava Jato a elaborarem uma nota à imprensa para rebater o que chamou de “showzinho” da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o jornal, os procuradores acataram integralmente a orientação, “em mais uma evidência de que Moro atuava como uma espécie de coordenador informal da acusação no processo do triplex”.

Leia a nota na íntegra:

“O Ministro da Justiça e Segurança Pública não reconhece a autenticidade e não comentará supostas mensagens de autoridades públicas colhidas por meio de invasão criminosa de hackers e que podem ter sido adulteradas e editadas. Reitera-se a necessidade de que o suposto material, obtido de maneira criminosa, seja apresentado a autoridade independente para que sua integridade seja certificada.”

Últimas notícias