Maia diz não ver confusão entre Poderes: “Está tudo tranquilo”

O presidente Jair Bolsonaro divulgou, no WhatsApp, um vídeo em que convoca apoiadores para manifestação pró-governo, no dia 15 de março

Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 27/02/2020 10:41

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (27/02/2020), em Madri, na Espanha, que não vê aumento de tensão entre o Legislativo e o Executivo por causa da disputa provocada pelo Orçamento impositivo.

A declaração de Maia ocorre dois dias depois de o site BR Político, do jornal O Estado de S. Paulo, publicar que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) compartilhou vídeos convocando a população para protestos contra o Congresso em 15 de março.

Demonstrando irritação com os questionamentos, Maia declarou que a relação entre o Congresso e o Executivo segue na normalidade. “Está tudo tranquilo”, afirmou.

Nessa quarta-feira (26/02/2020), nas redes sociais, o presidente da Câmara havia cobrado respeito às instituições democráticas. Sem citar o nome de Bolsonaro, Maia afirmou que criar tensão institucional não ajuda o país a evoluir. “Somos nós, autoridades, que temos de dar o exemplo de respeito às instituições e à ordem constitucional. O Brasil precisa de paz e responsabilidade para progredir”, afirmou.

Questionado se a tensão entre o Legislativo e o Executivo aumentou por causa da disputa do Orçamento Impositivo, Maia negou. “Não tem confusão, não. Está tudo tranquilo”.

O clima entre os dois Poderes piorou depois que veio a público uma gravação vazada do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, no qual o militar se queixava da atuação dos parlamentares.

Sem saber que estava sendo gravado, o general falou em “chantagem” do Legislativo para aumentar seu controle sobre os recursos da União. “Não podemos aceitar esses caras chantageando a gente o tempo todo”, disse Heleno, na presença do ministro da Economia, Paulo Guedes, e de Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo.

Impeachment
O presidente da Câmara também afirmou que o PT e o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) têm o direito de apresentar pedidos de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro, se assim decidirem. “O que eu posso fazer? É um direito deles”, disse.

A bancada do PT no Congresso está avaliando essa possibilidade e Frota pediu para os advogados elaborarem uma peça de denúncia de crime de responsabilidade contra o presidente.

Ao ser questionado se considera que Bolsonaro tenha cometido crime de responsabilidade e que exista algum risco de ocorrer uma nova ditadura no Brasil, Maia respondeu que já se manifestou “Que ditadura? Eu já disse ontem [quarta-feira], se você não leu os jornais hoje, não posso fazer nada”, disse, referindo-se à frase de que está tudo tranquilo.

Últimas notícias