metropoles.com

Invasão na Bahia: governo vai intermediar negociação com MST

Imbróglio envolvendo invasão que se arrasta entre a Justiça da Bahia, o MST e a empresa Suzano terá interferência do governo

atualizado

Compartilhar notícia

Divulgação/ Câmara dos Deputados
Deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP)
1 de 1 Deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) - Foto: Divulgação/ Câmara dos Deputados

O imbróglio envolvendo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a empresa Suzano, na Bahia, chegou ao Ministério de Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar. Segundo o titular da pasta, Paulo Teixeira, a companhia o procurou para chegar a um acordo sobre uma invasão do MST, feita na segunda-feira (27/2).

“Fui procurado ontem pelo vice-presidente da Suzano e ele me contou que uma propriedade deles foi ocupada pelo MST na Bahia. Ele me pediu pra ajudar na solução desse conflito”, relatou o ministro durante cerimônia de lançamento do novo Bolsa Família.

Segundo o ministro, ele vai intermediar as negociações entre o movimento e a empresa. “Eu hoje vou ligar para o MST, sugerindo que eles possam negociar as questões relacionadas a esse terreno e, portanto, nós vamos levantar toda toda a situação do conflito ali de dez anos”, prometeu.

Teixeira disse que houve uma negociação, anos atrás, entre os envolvidos, mas o acordo não foi cumprido e, por isso,  o MST invadiu a fazenda. Segundo o ministro, a equipe do ministério vai recuperar junto à empresa Suzano as negociações com o movimento para que se chegue em um denominador comum.

“Nós vamos endereçar ao MST o pedido da Suzano de desocupação da área e temos o propósito de uma reunião com a Suzano e o MST na semana que vem. Esse é o encaminhamento que nós fizemos já no dia de hoje em relação a esse conflito no sul da Bahia. Vamos tentar resolver pelo diálogo, pela conversa e reestabelecer uma negociação que segundo eles foi interrompida há dez anos”, reforçou o titular da pasta.

3 imagens
O MDA prometeu intervir no imbróglio entre MST e a empresa Suzano
Ocupação do MST na fazenda de eucalipto, na Bahia
1 de 3

1.700 famílias do MST ocuparam a fazenda, em Mucuri

Foto: Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
2 de 3

O MDA prometeu intervir no imbróglio entre MST e a empresa Suzano

Foto: Coletivo de Comunicação do MST na Bahia
3 de 3

Ocupação do MST na fazenda de eucalipto, na Bahia

Foto: Coletivo de Comunicação do MST na Bahia

Posicionamentos

Em nota, o MST afirmou que 1,7 mil famílias da Bahia ocuparam quatro latifúndios no estado. “Um latifúndio de nome Fazenda Limoeiro, abandonado há 15 anos, localizado no município de Jacobina, e três latifúndios de monocultivo de eucalipto, da empresa Suzano localizados nos municípios de Teixeira de Freitas, Mucuri e Caravelas”.

“Com as ocupações, as famílias Sem Terra reivindicam a desapropriação imediata dos latifúndios para fins de reforma agrária, tendo em vista que estas propriedades atualmente não estão cumprindo sua função social. O ato também é uma denúncia contra a monocultura de eucalipto na região, que vem crescendo nas últimas décadas. E o uso de agrotóxicos pela empresa, que prejudica as poucas áreas cultivadas pelas famílias camponesas e o o êxodo rural provocado pela monocultura do eucalipto na região”, diz o texto.

O Metrópoles tentou contato com a empresa Suzano, que afirmou que “tais atos violam o direito à propriedade privada e estão sujeitas à adoção de medidas judiciais para reintegrar a posse dessas áreas”.

“A companhia reitera que cumpre integralmente as legislações ambientais e trabalhistas aplicáveis às áreas em que mantém atividades, tendo como premissas em suas operações o desenvolvimento sustentável e a geração de valor e renda, reforçando assim seu compromisso com as comunidades locais e com o meio ambiente”, salientou a empresa.

“A companhia reconhece a relevância da sua presença nas áreas onde atua e reforça seu compromisso por manter um diálogo aberto e transparente, de maneira amigável e equilibrada. Também reafirma a confiança nas leis e no estado brasileiro, na busca pela defesa e preservação dos diretos de quem produz, trabalha e, com isso, gera e compartilha valor com toda a sociedade”, completou.

Decisão judicial

Na manhã desta quinta-feira, a Justiça da Bahia deu um novo rumo ao caso. O juiz Renan Souza Moreira fixou multa de R$ 5 mil por dia aos sem-terra em caso de descumprimento de medida de desocupação da propriedade da empresa. No ato, o juiz também autorizou uso de força policial para a desocupação, se necessário.

A decisão de Moreira vale apenas para a fazenda de Mucuri. As ações de reintegração de posse relativas, no entanto, às outras áreas da Suzano ocupadas nos municípios de Caravelas e Teixeira de Freitas ainda serão analisadas pela justiça estadual.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?