Câmara ameniza Ficha Limpa para quem só foi punido com multa

Projeto que flexibiliza a lei foi aprovado por 345 votos a favor e 98 contrários e agora segue para o Senado

atualizado 24/06/2021 19:45

Lira restringe presença física de parlamentares e funcionários da camara dos deputadosIgo Estrela/Metrópoles

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quinta-feira (24/6), um projeto de lei que ameniza a Lei da Ficha Limpa e propõe impedir a aplicação da “pena máxima” da classe política, a inelegibilidade, a quem teve as contas rejeitadas ao ocupar cargos públicos e foi punido apenas com multa.

A proposta foi aprovada por 345 votos a favor e 98 contrários e agora segue para o Senado. Depois, precisa ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Atualmente, são inelegíveis cidadãos que tiverem contas relacionadas a exercícios de cargos públicos rejeitadas por “irregularidade insanável” e que configurem “ato doloso de improbidade administrativa”, sem qualquer ressalva ao tipo de punição aplicada.

O prazo de inelegibilidade nesses casos é de oito anos, contados a partir de decisão, irrecorrível, de órgão competente.

O relatório do deputado Enrico Miasi (PV-SP) inclui uma ressalva a esses casos para tornar elegíveis, livres para concorrer em eleições, os que tiveram as contas rejeitadas e foram condenados apenas com multa.

“Não se aplica (a inelegibilidade) aos responsáveis que tenham tido suas contas julgadas irregulares, sem imputação de débito, e sancionados exclusivamente com o pagamento de multa”, diz o texto aprovado.

“Ele é simplesmente uma positivação de algo que a jurisprudência já tem feito, inclusive do Tribunal Superior Eleitoral, e, mais do que isso, é uma adequação à Lei da Ficha Limpa no seu caráter genérico”, disse o relator.

Mais lidas
Últimas notícias