Bolsonaro sobre Ramagem na PF: “Moraes tentou me desautorizar com canetada”

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar que suspende nomeação do novo diretor-geral da Polícia Federal

atualizado 30/04/2020 8:47

Jair BolsonaroRafaela Felicciano/Metrópoles

Após a nomeação de Alexandre Ramagem para a Diretoria-Geral da Polícia Federal (PF) ter perdido o efeito, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o desautorizou com uma “canetada”. O mandatário da República enfatizou ainda que “não engoliu a decisão”.

Alexandre de Moraes concedeu liminar que suspendeu a indicação de Ramagem para a Polícia Federal, após a saída de Maurício Valeixo do cargo.

“Moraes tentou desautorizar um presidente da República com uma canetada alegando impessoalidade. Apelo para que respeitem a Constituição. Quase houve uma crise institucional ontem [quarta-feira]”, assinalou o chefe do Executivo.

Apesar de ter dito nessa quarta-feira (29/04) que sonha com Ramagem na PF e que quer recorrer da decisão do STF, Bolsonaro não descartou a possibilidade de indicar outro nome para a direção-geral da corporação e busca substitutos.

Ainda na quarta, a Advocacia-Geral da União (AGU) informou que não recorreria da decisão de Alexandre de Moraes sobre a permanência de Ramagem na diretoria-geral.

No entanto, na manhã desta quinta-feira (30/04), o presidente disse exatamente o contrário: “[A AGU] Vai recorrer. Conversei ontem com o Jorge [Oliveira, ministro da Secretaria-Geral da Presidência], também com outros ministros, e vai recorrer. Eu lamento agora que não tem tempo. Demora semanas, meses. Espero que [uma nova decisão] seja tão rápida quanto a liminar. Eu espero no mínimo isso do senhor Alexandre de Moraes. No mínimo, espero do senhor Alexandre de Moraes rapidez, para a gente poder tomar as providências”.

O titular do Planalto classificou a decisão de Alexandre de Moraes como “política” e argumentou que amizade não seria impedimento para a nomeação. E, se for assim, afirmou esperar também uma “canetada” para que Moraes tire Ramagem da direção da Agência Brasileira de Informação (Abin), como fez com a PF.

“Se não pode estar na PF, não pode na Abin também. Decisão, no meu entender, falta um complemento para mostrar que não é uma coisa voltada para continuar na Abin. Se não se posicionar, está abrindo espaço para eu nomear o Ramagem para a PF”, frisou.

Bolsonaro disse ainda que Moraes só está no STF devido a uma “amizade” que tem com o ex-presidente Michel Temer. “Não justifica a questão da impessoalidade. Como é que o senhor Alexandre de Moraes foi para o Supremo? Amizade com o senhor Michel Temer. Ou não foi?”, questionou.

Por fim, o presidente voltou a pedir respeito entre os poderes: “Respeito de dupla via entre os poderes”.

Mais lidas
Últimas notícias