Bolsonaro fala de levar democracia e liberdade a “países amigos”

Presidente participou de formatura de cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras, no Rio de janeiro

atualizado 30/11/2019 14:42

Andre Borges/Esp. Metrópoles

Ao participar da formatura de novos cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), no Rio de Janeiro, neste sábado (30/11/2019), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) prometeu não descansar “enquanto todos os países irmãos [da América do Sul] não respirarem democracia e liberdade”.

“Nós não descansaremos enquanto todos os países irmãos não respirarem democracia e liberdade. Também países irmãos, que nossos povos não se deixem iludir ou persuadir pela facilidade. A democracia e liberdade são nosso oxigênio”, declarou Bolsonaro diante de formando de várias nacionalidades, incluindo Angola e Paraguai.

No evento, 414 cadetes que concluíram o 4º ano da Aman e foram declarados aspirantes a oficial, primeiro posto da carreira de Oficial Combatente do Exército Brasileiro. Além dos cadetes brasileiros, também recebem a espada de oficial 11 cadetes de “nações amigas”: dois de Angola, um da Guiana, um de Honduras, cinco da Namíbia e dois do Paraguai.

Durante seu discurso, o presidente Jair Bolsonaro, que se formou na Aman em 1977, lembrou mais uma vez do episódio em que levou uma facada, quando fazia campanha pelas ruas de Juiz de Fora, em Minas Gerais. Segundo ele, a partir daquele dia ele renasceu.

“Aqueles que não têm compromisso com a democracia e liberdade tentaram abreviar minha carreira. Não conseguiram”, completou o presidente.

Historicamente, foi da cidade mineira que tropas militares saíram para em 1º de abril de 1964 tomar o poder por 21 anos, período em que durou a ditadura militar no Brasil.

Com informações da Agência Brasil

Últimas notícias