Bolsonaro diz que “Justiça começa a agir como partido político”

Presidente não citou nomes, mas fala ocorre após ordem do ministro Alexandre de Moraes, do STF, para que Bolsonaro prestasse depoimento à PF

atualizado 31/01/2022 21:08

O Presidente da República, Jair Bolsonaro Hugo Barreto/Metrópoles

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, nesta segunda-feira (31/1), que a “Justiça começa a começa a agir como partido político” ao comentar o inquérito que apura o vazamento de informações sigilosas durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais do chefe do Executivo federal.

Durante coletiva à imprensa no Rio de Janeiro, Bolsonaro disse que o inquérito divulgado em suas redes sociais não era sigiloso.

O presidente não citou nomes, mas a declaração ocorre após ordem do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que Bolsonaro prestasse depoimento à Polícia Federal  às 14h de sexta-feira (28/1). O presidente, no entanto, não compareceu e entrou com um recurso no Supremo, por meio da AGU, para que ele não fosse obrigado a cumprir a ordem de Moraes. Minutos depois, o ministro negou o pedido.

“Não era sigiloso. Transformou-se em sigiloso depois da live. Eu não vou entrar nesse cipoal. O que nós temos [que fazer] é acreditar na Justiça. Quando a Justiça começa a agir como partido político… Eu entreguei nas mãos do advogado-geral da União para discutir esse assunto”, declarou.

Em carta à PF, Bolsonaro disse que exerceu o “direito de ausência” ao não comparecer à sede da Superintendência do órgão. Nesta segunda, o presidente ainda disse que foi orientado pelo advogado-geral da União, Bruno Bianco, a não comparecer ao depoimento. “Cumpri à risca”, disse Bolsonaro.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
0

PF intimou Bolsonaro a depor no ano passado. Em 29 de novembro, o ministro Alexandre de Moraes deu prazo de 15 dias para que a oitiva fosse realizada. No entanto, quando o tempo estava acabando, a Advocacia-Geral da União (AGU) pediu prorrogação, e o ministro concedeu mais 60 dias de prazo.

Mesmo assim, como o presidente não indicou a data do depoimento, o ministro marcou para a última sexta, conforme prometido.

“Tudo em paz”

No sábado (29/1), durante passeio pela feira da Catedral Metropolitana de Brasília e conversa com a imprensa, o presidente foi questionado se queria fazer algum comentário sobre a decisão do ministro do STF.

“Não, não, tá tudo em paz, tudo tranquilo, aí, tá ok?”, respondeu Bolsonaro.

Vazamento de investigação

Em agosto do ano passado, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro divulgou a íntegra de um inquérito da Polícia Federal sobre um suposto ataque ao sistema interno da Justiça Eleitoral em 2018. Segundo o próprio TSE, a tentativa de invasão não representou qualquer risco às eleições.

Atendendo a um pedido da Justiça Eleitoral, Moraes abriu um inquérito para investigar o caso. Segundo o ministro, as informações não poderiam ter sido divulgadas sem autorização da Justiça.

Ao abrir o inquérito, o ministro do STF determinou a remoção dos links disponibilizados por Bolsonaro com a íntegra da apuração e afastou o delegado da PF que era responsável pela investigação.

Mais lidas
Últimas notícias