Armínio: “Um absurdo vetar alguém por ter trabalhado em governo do PT”

O ex-presidente do Banco Central afirmou à coluna de Sônia Racy que Marcos Pinto, pivô do mal-estar entre Bolsonaro e Levy, é "profissional"

atualizado 16/06/2019 11:37

Wikimedia Commons

Após o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), dizer que demitiria Joaquim Levy, presidente do BNDES, por causa da contratação de Marcos Pinto, que já trabalhou no governo PT, Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central, disse à coluna de Sônia Racy que a reação era um “absurdo”.

“Um absurdo vetar alguém simplesmente por ter trabalhado em um governo do PT.” E mais: “ Um detalhe menor, mas digno de nota, é que Marcos Pinto é um cara do bem e um superprofissional”, defendeu, no sábado (15/06/2019). Levy pediu demissão na manhã deste domingo (16/06/2019) depois das declarações do presidente e Pinto deixou o cargo após escrever uma carta a Levy.

Antes de embarcar rumo ao Rio Grande do Sul no sábado (15/06/2019), Bolsonaro ameaçou demitir Levy na segunda-feira (17/06/2019) se ele não demitisse o novo diretor de Mercado de Capitais da instituição financeira, Marcos Pinto, considerado pelo chefe do Planalto alguém “suspeito”.

“O Levy nomeou Marcos Pinto para o BNDES e eu já estou por aqui com o Levy. Falei pra ele: ‘Demite esse cara ou eu demito você segunda sem falar com o Guedes’”, contou.

“Um governo tem de ser assim. Quando coloca gente suspeita em cargos importantes e essa pessoa, como o Levy, já vem há algum tempo não sendo leal àquilo que foi combinado e àquilo que ele conhece a meu respeito. Ele está com a cabeça a prêmio já tem algum tempo”, completou.

Últimas notícias