A empresários, Mantega diz que BC de Bolsonaro é melhor que o de Lula

Segundo ex-ministro da Fazenda, órgão financeiro tem "melhor desempenho" com Campos Neto do que com Henrique Meirelles, em 2008

atualizado 18/04/2022 17:07

Fabio Pozzebom/Agência Brasil

Durante almoço com empresários nesta segunda-feira (18/4), o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega elogiou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

O evento foi organizado pelo grupo Esfera Brasil. Durante sua fala, Mantega citou o “melhor desempenho” do BC no governo do presidente Jair Bolsonaro (PL). As informações são da colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S.Paulo.

“O Banco Central de agora está tendo um desempenho melhor do que na nossa época”, afirmou.

“Roberto Campos é melhor do que o Meirelles”, prosseguiu, em referência a Henrique Meirelles, que presidia o BC no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Socialismo X capitalismo

No evento desta segunda, o ex-ministro da Fazenda foi questionado se nas eleições de outubro, o país terá que escolher entre o socialismo e o capitalismo.

Guido Mantega disse que uma escolha não seria necessária e saiu em defesa de Lula. Ele lembrou que os governos petistas fizeram concessões e parcerias público-privadas.

Segundo ele, Lula tem dito que é necessário melhorar as condições de vida da população e que, se eleito, seu governo será de “centro”. Guido afirmou que o ex-governador Geraldo Alckmin (PSB), que será vice de Lula, terá um papel fundamental.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
Publicidade do parceiro Metrópoles 4
Publicidade do parceiro Metrópoles 5
Publicidade do parceiro Metrópoles 6
0

Alckmin e Lula se enfrentaram no segundo turno da eleição presidencial de 2006, quando o petista foi reeleito.

Um dos fundadores do PSDB, o ex-governador esteve, durante 33 anos, na legenda, mas deixou a sigla após a vitória de João Doria nas prévias para a escolha do político tucano que deverá disputar a Presidência da República. Dentro do partido, o grupo de Alckmin rivalizava com o do ex-governador de São Paulo.

No fim de março, Alckmin optou por se filiar ao PSB, partido que estará na coligação de Lula, e já apontava sua disposição em compor a chapa, ao afirmar que o petista é “aquele que melhor reflete o sentimento de esperança do povo brasileiro”.

 

 

Mais lidas
Últimas notícias