Polarização entre Bolsonaro e Haddad impulsiona robôs nas redes

Presença desses perfis nas redes vem crescendo desde o início da campanha eleitoral

iStockiStock

atualizado 21/09/2018 17:49

A polarização eleitoral entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), primeiro e segundo colocados nas pesquisas de intenção de voto, aumentou nas redes sociais. Os dois têm o maior número de interações no Twitter e também maior porcentagem de perfis automatizados, os chamados robôs, interagindo com seus apoiadores – 43% e 28,4%, respectivamente, de 3.198 contas suspeitas monitoradas em estudo da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV-Dapp).

A presença de robôs nas redes vem crescendo desde o início da campanha eleitoral, em 15 de agosto, atingindo o ápice na última semana. Entre 12 e 18 de setembro, a pesquisa analisou 5,3 milhões de interações (retuítes) e mais de 712 mil perfis na rede social. No período, o patamar de interações envolvendo robôs chegou a 12,9%. No início da disputa eleitoral, esse número era de 4,2%.

O acirramento na campanha é um dos principais motivos para explicar o aumento de robôs na rede social, segundo o professor Marco Aurélio Ruediger, um dos autores do estudo. “Você tem um crescimento repentino do candidato do PT, uma contraofensiva do campo à direita, e um terceiro campo buscando a terceira via, e aumenta a tentativa de influenciar as redes. A tendência dessa curva de acirramento é continuar crescendo.”

Esses números não pertencem, necessariamente, a uma campanha ou a um candidato. De acordo com a metodologia de identificação desses robôs, não há nem mesmo como provar que sejam positivos ou negativos ao candidato, mas que apenas interagem com suas contas. São considerados robôs contas automatizadas que geram volume de interações nas redes. Eles podem atuar tanto para atacar um candidato como simplesmente para fazer campanha positiva.

“Há vários parâmetros para determinar um robô, um deles é quando ele realiza disparos, um tuíte ou retuíte, em um curto período de tempo”, disse Ruediger. O professor ressaltou ainda que o Twitter tem desempenhado papel importante no combate a esses perfis falsos. A rede social informou, por meio de nota, que não comenta a pesquisa, uma vez que não teve acesso à base de dados da FGV.

Na “bolha” de apoiadores de Bolsonaro e Haddad, também foram identificados os maiores patamares de retuítes suspeitos. As interações de robôs na seara “bolsonarista” chegam a 17,8%; do lado de Haddad, esse patamar chega a 13%. A próxima “bolha” com retuítes suspeitos é de Marina Silva (Rede), bem abaixo, com 7,2%.

Proibição
A lei eleitoral proíbe “a veiculação de conteúdos de cunho eleitoral mediante cadastro de usuário de aplicação de internet com a intenção de falsear identidade”. Além disso, se os robôs forem contratados por apoiadores, podem ser enquadrados como impulsionamento, o que também é ilegal. A multa, nesse caso, vai de R$ 5 mil a R$ 30 mil.

A assessoria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) afirmou que não fiscaliza o uso de robôs na campanha e atua apenas em caso de denúncia, seja do Ministério Público Eleitoral ou de algum partido que se considere prejudicado. Não há registro de punição até hoje ao uso desse artifício.

Últimas notícias