No Twitter, Moro diz que Coaf foi fortalecido com ida para a Justiça

"Qualquer decisão será, por óbvio, respeitada, mas estamos conversando com os parlamentares para mantê-lo', escreveu o ministro

DIDA SAMPAIO/ESTADAODIDA SAMPAIO/ESTADAO

atualizado 27/04/2019 17:18

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, usou o Twitter neste sábado (27/04/2019), para defender a permanência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) em seu ministério. “Há discussão no Congresso para ele voltar para a Economia. Respeitosamente, não é o melhor”, escreveu Moro em sua conta, ressaltando ainda que o ministro Paulo Guedes “não quer” esta transferência.

“Qualquer decisão será, por óbvio, respeitada, mas estamos conversando com os parlamentares para mantê-lo. No combate ao crime, integração é a chave”, ressaltou Moro na rede social. Ontem, em Belo Horizonte, Moro já havia defendido publicamente a manutenção do Coaf na Justiça, pois Guedes “tem outras atribuições”.

Neste sábado, Moro postou tuítes para defender a permanência do Coaf em sua pasta. “O Coaf foi fortalecido por sua transferência ao MJSP por decisão do governo do presidente Jair Bolsonaro”, escreveu o ex-juiz titular na primeira instância da Operação Lava Jato. Esta semana, porém, Bolsonaro disse em café com jornalistas não se opor em tirar o Coaf de Moro. “Não me oponho em voltar o Coaf para o Ministério da Economia, apesar do Paulo Guedes estar com muita coisa.”

“O Coaf estava meio esquecido, no governo anterior, no Ministério da Fazenda. Veio, no novo, integrar o MJSP”, destacou Moro neste sábado. O plano do ministro é dobrar o número de pessoas no Coaf, dos atuais 37 funcionários para 65 até o final do ano. “Criamos um setor específico dedicado a atender o investigador, MP ou policial, da ponta, com informações estratégicas”, postou Moro.

Reprodução/Twitter

O presidente do Coaf, Roberto Leonel, destacou esta semana em evento em São Paulo que a instituição recebe uma média de 14 mil a 15 mil comunicações por dia, de todas as áreas, incluídas as operações suspeitas de lavagem de dinheiro, tentativas de remessa ilegal de recursos. Desse total, 93% das comunicações vêm do sistema financeiro. Em 2018, foram 2,980 milhões de comunicações de bancos e corretoras enviadas ao órgão. Leonel também falou dos planos de dobrar o tamanho da instituição e ainda melhorar a capacitação dos funcionários e a tecnologia para a análise dos dados.

Últimas notícias