Moro afirma que não será candidato em 2022: “Vou tatuar na testa”

No programa Pânico, o ex-juiz ressaltou que o "ideal" é que o atual vice-presidente, Hamilton Mourão, continue no cargo no próximo pleito

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 27/01/2020 14:42

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, assegurou, nesta segunda-feira (27/01/2020), que não irá concorrer à Presidência da República nas eleições de 2022. “Já falei um milhão de vezes. Vou tatuar na testa. Em 2022, o presidente [Bolsonaro] apontou que pretende a reeleição. Eu sou ministro do governo e vou apoiá-lo. Tem uma questão de lealdade de estar lá”, ressaltou, em entrevista ao programa Pânico, da Rádio Jovem Pan.

Moro também desconversou ao ser questionado se poderia ser vice na chapa do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), na eleição de 2022. O ex-juiz disse que essa é uma decisão de Bolsonaro e que o “ideal” é que o atual vice-presidente, Hamilton Mourão, continue no cargo no próximo pleito.

“Eu assumi o compromisso de fazer o trabalho de ministro. O que tenho na minha cabeça é o presente, não o futuro. O presidente Bolsonaro indicou que quer [se reeleger]. Ele tem um vice hoje, [por isso] não acho apropriada esse tipo de discussão. Quem vai decidir é o presidente. O ideal é que seja Mourão, um general renomado”, afirmou.

Em dezembro de 2019, o chefe do Planalto chegou a dizer que não via problemas se Moro decidisse sair candidato no ano em que ele tentaria a reeleição. Bolsonaro comentou à época que o atual ministro tinha um “potencial enorme”.

“Moro é adorado no Brasil. O pessoal fala se vai sair candidato a presidente… Se ele vier, que seja feliz, não tem problema. Vai estar em boas mãos o Brasil. O que não pode é fazer joguinho de fogo amigo para entregar o país para a esquerda”, disse Bolsonaro.

Últimas notícias