Após “mal-estar”, Moro partiu para a briga. E escolheu os alvos

Ao ver surgir hipótese de perda da área de segurança pública da pasta que lidera, o ex-juiz optou por poupar Bolsonaro – e mirou nos estados

Andre Borges/Esp. MetrópolesAndre Borges/Esp. Metrópoles

atualizado 24/01/2020 20:18

Antes mesmo de o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, falar com a sua equipe após o presidente Jair Bolsonaro sugerir o desmembramento da pasta, seus assessores reagiram. Os termos “surpresa” e “mal-estar” dominaram as rodas de bate-papo.

Moro, popular com a opinião pública, é igualmente querido pelos seus subordinados. Ao menos pela maior parte deles.

Em conversas em off – termo que, no jargão jornalístico, quer dizer que uma fonte revela informação sob a condição de não expor o seu nome – funcionários do ministro destacaram que Moro chegou à pasta abatido. Porém resoluto.

Na segunda-feira (20/01/2020), o ministro foi a estrela do programa Roda Viva, da TV Cultura. Esforçou-se para demonstrar que respeita o mandatário do país. O entorno de Bolsonaro, porém, não gostou. Houve queixas de que Moro atribui a si mesmo muito da responsabilidade pela melhora nos índices de segurança pública.

A mesma crítica foi externada por alguns governadores. Pela Constituição, são eles os responsáveis pelo combate à criminalidade.

Juntou-se a fome à vontade de comer. Em reunião articulada pelo Palácio do Planalto entre o presidente e secretários estaduais de Segurança, a crítica apareceu. E Bolsonaro vocalizou a possibilidade de dividir o ministério após secretários assinarem documento em defesa da ideia.

Na voz de um dos assessores mais próximos do ministro, ele aceitou o cargo apenas pela possibilidade de contribuir nessa área, da segurança. Sem isso, a manutenção no governo perde apelo, garante.

Mas Moro tem aprendido a brigar. E sabe em quem pode bater. Por isso não mirou no presidente nem na primeira família. Mirou nos estados.

Alvo de críticas dos governos do Distrito Federal e da Bahia – ambos têm policiais federais na secretaria de Segurança –, o ex-juiz mencionou a Maurício Valeixo, diretor da PF, ofício de dezembro em que a entidade pede de volta servidores cedidos, informam pessoas próximas ao ministro. Ambos os secretários assinaram a lista propondo a divisão do ministério.

Por trás das atitudes, Moro deixa um recado. Aceitou o cargo de superministro, não de miniministro.

Últimas notícias