Mobilização a favor de Lula reúne candidatos das eleições de 2018

Dilma Rousseff, Manuela D'Ávila, Fernando Haddad e até o ex-ministro condenado no Mensalão e na Lava Jato José Dirceu participam

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 15/08/2018 19:09

Por volta das 16h40 desta quarta-feira (15/8), um público estimado em 10 mil pessoas pela Polícia Militar se aglomerou no gramado em frente ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e silenciou para ouvir a leitura de cartas escritas por apoiadores ao ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Detido desde abril na sede da Superintendência da Polícia Federal (PF) em Curitiba (PR), o líder petista foi condenado em segunda instância a uma pena de 12 anos e 1 mês de cadeia pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro – o que o tornaria inelegível, conforme os critérios da Lei da Ficha Limpa. Ainda assim, às 17h12, a candidatura de Lula a um novo mandato presidencial foi registrada.

A primeira carta foi lida pelo ator Sérgio Mambert. Além dele, os também atores Tuca Moraes e Osmar Prado estavam a postos para dar voz às mensagens destinadas ao ex-presidente encarcerado. Integrantes de entidades estudantis, de sem-terra e da agricultura familiar, bem como políticos e militantes do PT, PCdoB, PCO e Pros, participam do ato.

Entre os presentes, a ex-presidente Dilma Rousseff; o candidato a vice na chapa, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad; a ex-presidenciável e candidata a vice, caso Haddad assuma a cabeça de chapa no lugar de Lula, Manuela D’Ávila (PCdoB); o governador petista do Piauí, Wellington Dias; o chefe do Executivo do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB); candidatos; parlamentares; ministros e ex-ministros das gestões Lula e Dilma. O ex-ministro condenado no Mensalão e na Lava Jato José Dirceu também engordou o coro por Lula livre e candidato, mas apenas visitou a concentração dos manifestantes, ainda no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha.

Veja imagens do ato: 

 

Confira vídeos da chegada do comando petista ao TSE para registrar a coligação O Povo Feliz de Novo e da comemoração popular após a formalização:

 

 

“Estamos aqui para registrar a chapa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A despeito daqueles que tiraram Dilma da Presidência [da República], a despeito daqueles que tiraram os direitos trabalhistas, estamos aqui hoje com os movimentos sociais, com o povo brasileiro, com companheiros do PCdoB, do PCO, com Dilma, com Haddad, nosso vice, sem medo”, disse a presidente nacional do PT Gleisi Hoffmann.

“Injustiçaram Lula. Estamos aqui na caminhada do início da campanha eleitoral para registrar a candidatura e vamos comemorar assim quando sair de lá de dentro: Lula Livre”, discursou Gleisi Hoffmann, antes de entrar no prédio do TSE para oficializar a chapa petista na corrida presidencial. A ex-presidente Dilma; os dois candidatos a vice; os presidentes do Pros, Eurípedes de Macedo Júnior, e do PCdoB, Luciana Santos, também participaram da formalização da candidatura.

“Luxo”
“Fiquei impressionado com todos esse vermelho, falei com os companheiros e fiquei impressionado com a lucidez. Não é só Lula Livre e pela justiça. Estive com Lula ele dizia, eu tenho saudades do povo. É o mesmo Lula de sempre”, disse o teólogo Leonardo Boff, que encontrou o ex-presidente recentemente. “Isso aqui [a mobilização dos apoiadores] para mim é um luxo. Sou candidatíssimo. Quando você falar com o povo, diga isso”, disse Lula, segundo Boff, que transmitiu a mensagem à multidão.

A mobilização dos apoiadores do ex-presidente começou em 10 de agosto. Na data, três colunas – grupos liderados por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) vindos de  Formosa (GO), Luziânia (GO) e Engenho das Lages (área rural do DF) – começaram a se formar e seguir na direção da capital do país. Nesta tarde, os grupos marcharam pelo Eixo Monumental de Brasília desde o estádio Mané Garrincha até o TSE, em clima de otimismo e festa. Muitos dos manifestantes usam máscaras com o rosto de Lula.

Após o registro da candidatura, o ato público virou festa, com a multidão cantando “olê, olê, olê, olá, Lula, Lula”. As lideranças petistas se revezaram em discursos, no carro de som em frente à sede do TSE.

“Um abraço para vocês! Um abraço da vitória. A senadora Gleisi tem aqui o papel que prova que Lula e candidato à presidente do Brasil. Aqui estamos nós inteiros, em pé, depois de um golpe em 2016. Eles acharam que iriam nos destruir. Nós ficamos de pé, como o povo brasileiro. Queremos acabar com o retrocesso dos direitos sociais. Lula candidato representa a democracia no nosso país”, afirmou Dilma Roussef.

“Vocês têm que lutar daqui pra frente para eleger Lula, para que nenhuma reforma anti-trabalhista passe pelo Congresso. Serei candidata ao Senado de Minas. Vou lá lutar contra dois golpistas”, disse a ex-presidente da República. “Nós sabemos o que está acontecendo no Brasil. Sabemos desse processo que quer tirar Lula da corrida eleitoral. É uma coisa muito séria! No dia de hoje, nós chegamos unidos com o Pros e PCdoB; com a senadora Gleisi, que luta de forma incansável pela candidatura de Lula, para defender Lula”, emendou Haddad, que evitou falar nesta tarde sobre seu papel, de assumir a cabeça da chapa, caso seja confirmada a tendência de a Justiça impedir Lula de disputar um novo mandato presidencial.

Também coube ao candidato a vice ler uma nova carta de Lula ao povo brasileiro (confira documento abaixo), e praticamente encerrar a quarta de mobilização em Brasília.

Carta de Lula aos brasileiros by Metropoles on Scribd


Confira vídeo com a cobertura do ato pelo Metrópoles: 

Últimas notícias