Greenwald confirma presença na Câmara para falar sobre vazamentos

O jornalista divulgou mensagens que indicam um suposto envolvimento do ex-juiz Sergio Moro com procuradores da Lava Jato

Fernando Frazão/Agência BrasilFernando Frazão/Agência Brasil

atualizado 21/06/2019 19:23

O jornalista Glen Greenwald confirmou presença na Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara dos Deputados para prestar esclarecimento sobre a série de reportagens relevando um suposto conluio entre o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e procuradores da Operação Lava Jato. A audiência pública será realizada na próxima terça-feira (25/06/2019), às 14h30.

O requerimento foi protocolado pelos deputados Túlio Gadêlha (PDT-PE), Camilo Capiberibe (PSB-AP), Márcio Jerry (PCdoB-MA) e Carlos Veras (PT-PE). Greenwald, além de jornalista, é escritor e advogado. Vencedor dos prêmios Pulitzer e Esso por revelar, à época no The Guardian, a existência dos programas secretos de vigilância global praticados pelos Estados Unidos.

“Juiz e acusação combinavam estratégias, trocavam informações dos bastidores dos processos e anunciavam decisões antes de serem julgadas. A vinda de Greenwald à comissão poderá dirimir qualquer dúvida sobre o conteúdo das denúncias que mostra uma grave violação dos princípios do devido processo legal”, declarou o vice-presidente da comissão, Túlio Gadêlha (PDT-PE).

Senado
Na semana passada, o Conselho de Comunicação Social (CCS) do Senado aprovou um convite para que Glenn Greenwald compareça a uma audiência no dia 1º de julho. Além de Greenwald, o conselho convidou: Claudio Dantas, do site O Antagonista; Daniel Bramatti, da Associação Brasileira de Jornalismo (Abraji); Maria José Braga, da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj); e Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Entenda
O site The Intercept publicou mensagens no domingo (09/06/2019) que mostram a suposta interferência do então juiz da Operação Lava Jato e atual ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, nas investigações da força-tarefa.

Moro e Deltan Dallagnol teriam trocado colaborações durante as investigações. A publicação afirma ter uma série de mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos e documentos judiciais.

Em conversas entre Moro e Dallagnol, o magistrado teria sugerido ao procurador que trocasse ordem de fases da Lava Jato, cobrado agilidade em novas operações, dado conselhos estratégicos e pistas informais de investigação, recomendado recursos ao Ministério Público e estimulado que os procuradores fizessem uma nota para salientar contradições do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no primeiro depoimento a Moro.

Últimas notícias