Debate sobre educação com Haddad na UnB vira ato anti-Bolsonaro

Petista ironizou o presidente, seus filhos e aliados: "Só tiram fotos juntos. Querem um Brasil branco, rico e hétero. Como procriam?"

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 26/04/2019 8:22

O que era para ser um debate sobre educação tornou-se um verdadeiro comício político contra o governo Jair Bolsonaro (PSL). Esse foi o tom dado pelo candidato petista derrotado nas eleições presidenciais de 2018, Fernando Haddad, ao evento promovido pelo Centro Acadêmico de Direito da Universidade de Brasília (UnB), nesta quinta-feira (25/04/2019).

Dizendo-se “debochado” – “porque não dá para levar esse governo a sério” –, o petista desfilou uma série de frases de efeito contra o presidente, que, segundo ele, teme o ambiente universitário. “Qual o pecado que cometemos para merecer um traste desse na Presidência da República?”, questionou Haddad.

Ao público, formado majoritariamente por jovens universitários que caprichavam nos gritos de guerra “Lula live” e “Marielle vive”, o ex-ministro afirmou que Bolsonaro teme as universidades. Segundo ele, os campi brasileiros contam, atualmente, com um exército de 8 milhões de estudantes “muito melhor armado do que esse bando de picaretas que querem armar a população”.

“Eles sabem que as armas que usam são impotentes diante do preparo de vocês”, observou Haddad. “Nossa guerra não é a que eles propõem. A nossa é para devolver a dignidade à escola pública. A Universidade é onde há trunfos para vencer o obscurantismo”, destacou.

Com a língua afiada, Haddad brincou ao falar que as pessoas, atualmente, acordam e pensam que o “Bolsonaro poderia ter dormido até mais tarde”. “Se ele estiver acordado, estará aprontando. Ou ele ou os filhos dele”, disse.

Mundo estupefato
Para o petista, a comunidade internacional está “estupefata” com o Brasil. “Eles não sabem o nosso rumo”, afirmou. “Temos um presidente que não dialoga, que não se coloca empaticamente no lugar daquele pai de família para dizer que a situação vai melhorar”, salientou.

Haddad ainda criticou os filhos e os principais auxiliares do presidente. “Eles vivem num mundo opaco, sem brilho, enfadonho e chato”, atacou. “E já percebeu que só tiram fotos juntos? Para eles, o Brasil tem que ser branco, rico e hétero. Não sei como procriam”, ironizou, arrancando gargalhadas da plateia.

O petista encerrou seu discurso convocando os universitários a irem para a ruas lutar contra “esse governo fascista”. “Eles têm medo de vocês. Eles não podem com vocês. Aqui está uma inteligência mobilizada em prol de um projeto de país. Não tem ninguém com maior compromisso com o Brasil do que as universidades. Contem comigo. Sou um soldado dessa causa”.

Direita DF
Antes da chegada de Haddad, um grupo de quatro estudantes que diziam ser da “Direita DF” foi para a frente do Centro Comunitário da UnB, local do debate, para protestar contra o evento. Recebidos com gritos de “fascistas”, quase saíram aos tapas com os organizadores.

“Queremos apenas acompanhar o debate”, disse Bruno Gomides, estudante de Economia da UnB. “Esse é um espaço público, e não um local para palanque político. Por que não deixaram que a gente comemorasse a vitória de Bolsonaro aqui?”, provocou.

Últimas notícias