Com Bolsonaro, cai otimismo sobre emprego, inflação e poder de compra

Segundo pesquisa, brasileiro está descrente com melhora econômica. Antes da posse do presidente, cenário era de confiança

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 08/04/2019 10:15

A expectativa do brasileiro com a melhora da economia caiu, após atingir níveis inéditos depois da corrida eleitoral de outubro passado. O recuo, segundo pesquisa Datafolha, chega a 15 pontos percentuais entre dezembro de 2018 e abril de 2019. O otimismo entre os entrevistados diminuiu de 65% para 50%. O número entre aqueles que acreditam na piora do cenário financeiro dobrou: saltou de 9% para 18%.

Segundo a pesquisa, divulgada nesta segunda-feira (8/4) pelo jornal Folha de S.Paulo, é incomum a queda do otimismo em relação à economia brasileira após a posse de novos governos. A tendência, por exemplo, não foi percebida com Luiz Inácio Lula da Silva, em 2003, e Dilma Rousseff, em 2011.

Três importantes pilares da economia também estão com em baixa na percepção do brasileiro. A parcela que acredita que o desemprego, a inflação e o poder de compra vão piorar aumentou em relação ao levantamento de dezembro (veja comparativo no fim da reportagem).

Os entrevistados apostam que a melhora nas finanças pessoais também não vai melhorar. Segundo o Datafolha, os que têm boas expectativas passaram de 67% para 59%, enquanto aqueles com pensamento mais pessimista subiram de 6% para 11%.

A pesquisa ouviu 2.086 brasileiros com 16 anos ou mais, em 130 municípios, nos dias 2 e 3 de abril. A margem de erro é dois pontos percentuais para mais ou para menos.

 

Pessimismo
Veja a comparação da percepção do brasileiro por temas

Desemprego
Abril de 2019
Vai aumentar – 47%
Vai diminuir – 29%

Dezembro de 2018
Vai aumentar – 29%
Vai diminuir – 47%%

Inflação
Abril de 2019
Vai aumentar – 45%
Vai diminuir – 22%

Dezembro de 2018
Vai aumentar – 27%
Vai diminuir – 35%

Poder de compra
Abril de 2019
Vai aumentar – 34%
Vai diminuir – 33%

Dezembro de 2018
Vai aumentar – 43%
Vai diminuir – 18%

Últimas notícias