Bolsonaro sobre demissão no Inpe: “Certas coisas não peço, mando”

Presidente nega que retirada de Ricardo Galvão da direção do instituto, após divulgar dados sobre alta no desmatamento, tenha sido censura

Rafaela Felicciano/MetrópolesRafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 04/08/2019 12:11

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL-SP), comentou, em rápida conversa com jornalistas na manhã deste domingo (04/08/2019) ao sair do Palácio da Alvorada para participar de um culto da igreja Fonte de Vida, a demissão do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Galvão. Segundo o chefe do Executivo, o governo não censurou Galvão, mas o ex-diretor precisava ter agido “de maneira diferente”.

“Eu não censurei, eu não disse que não tinha que divulgar, mas a forma com que foi divulgado… com áreas sobrepostas, áreas acumuladas. […] É complicado. Não é a posição de um brasileiro que quer servir a sua pátria”, atacou o presidente.

Perguntado se Ricardo Galvão foi exonerado ou pediu demissão, Bolsonaro apenas afirmou que, “em certas coisas”, ele é quem manda. “Eu não peço. Certas coisas eu mando. Por isso que sou presidente. Após as declarações dele a meu respeito, pessoais, não tinha clima para continuar mais. Não tinha clima”, completou.

Últimas notícias