Bolsonaro: “Se reforma tributária propuser nova CPMF, começa perdendo”

A ideia de um imposto sobre movimentações financeiras foi cogitada pela equipe econômica, mas não conta com apoio do presidente

JP Rodrigues/MetrópolesJP Rodrigues/Metrópoles

atualizado 21/08/2019 9:12

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta quarta-feira (21/08/2019) que se a reforma tributária propuser a criação de um imposto sobre movimentações financeiras, já começa perdendo. A proposta chegou a ser cogitada pela equipe econômica, no entanto, não conta com o apoio do presidente.

“Quem entrar nessa de imposto sobre cheque está pedindo para ser derrotado por antecedência. Entra em campo perdendo por três a zero”, avaliou o presidente ao deixar, pela manhã, o Palácio da Alvorada. Segundo Bolsonaro, a equipe da Economia foi orientada a focar a reforma nos impostos federais e não tratar de outros tributos.

“ Vai ser feito nessa linha. O resto, o Parlamento vai decidir”, concluiu o presidente.

O governo ainda não apresentou o texto da reforma tributária ao Parlamento. No entanto, há quatro propostas em análise nas duas Casas. Na reforma do ministro da Economia, Paulo Guedes, a CPMF poderia substituir a contribuição previdenciária paga pelas empresas, que representa 20% das folhas de pagamentos e seria uma das principais causas do desemprego.

Últimas notícias