Atos pró-reformas de Bolsonaro em 27 UFs miram Maia e Centrão

As manifestações ocorreram em 156 cidades do Brasil e reuniram milhares de pessoas neste domingo (26/05/2019)

Igo Estrela/MetrópolesIgo Estrela/Metrópoles

atualizado 26/05/2019 21:04

Durante a manhã e tarde deste domingo (26/05/2019), milhares de pessoas foram às ruas em 156 cidades do Brasil, nas 27 Unidades da Federação (UFs), em apoio às reformas propostas pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL). Os atos pró-governo também abrigaram críticas ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e ao grupo de parlamentares conhecido como Centrão.

Os manifestantes pediram a aprovação da Nova Previdência; manutenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro; e a votação do pacote anticrime, também capitaneado pelo ex-juiz da Lava Jato, e da MP nº 870, da reforma administrativa do governo federal. Houve, igualmente, reivindicações a favor da Operação Lava Toga – com investigações a membros do Judiciário.

As principais críticas foram centradas em Rodrigo Maia (DEM-RJ). O presidente da Câmara tem relação complicada com o Planalto, com diversas trocas de farpas públicas. Recentemente, o político fluminense e o líder do governo, Major Vitor Hugo (PSL-GO), se desentenderam. Outro ponto de questionamento por parte do público que participou dos protestos foi o Centrão, bloco de partidos formado pelo Democratas, PRB, PP, PTB e outras legendas. Aliados de Bolsonaro durante as eleições, esses parlamentares têm imposto derrotas ao governo federal no Congresso Nacional, como no caso do Orçamento Impositivo.

Atos nas capitais
As manifestações ocorreram em diversas capitais brasileiras, como Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, São Luís, Salvador, Recife, Maceió, Vitória, Fortaleza e Natal. Nas cidades, os participantes estavam nas ruas em trios elétricos que tocavam músicas da campanha eleitoral de Bolsonaro, além do Hino Nacional.

Em Brasília, manifestantes ocuparam a Esplanada dos Ministérios pela manhã. A Polícia Militar calculou em 20 mil o público presente. Por volta das 13h30, as pessoas começaram a dispersar e a Via S1, que teve o trânsito bloqueado na altura da Catedral, foi liberada.

No Rio de Janeiro, o público se reuniu na Avenida Atlântica, em Copacabana, entre as ruas Sousa Lima e Constante Ramos. Duas pistas foram interditadas para o trânsito de carros, mas os manifestantes se concentraram apenas na faixa mais perto da praia. A Polícia Militar não divulgou estimativa de público.

GloboNews/Reprodução

 

Em São Paulo, os manifestantes se reuniram na Avenida Paulista. O ato ocupou sete quarteirões, entre a Rua Padre João Manoel e a Avenida Brigadeiro Luiz Antônio, mas só três quarteirões ficaram totalmente cheios de gente. A PM também não divulgou estimativa de público.

Carla Zambelli/Twitter/Reprodução

 

Entenda
Os atos foram organizados pelas redes sociais. As convocações ganharam força após os protestos em defesa da educação do último dia 15 de maio, contra os cortes anunciados pelo governo para os ensinos superior e técnico federais.

O Portal G1 elaborou um comparativo entre as manifestações do dia 15 de maio e as ocorridas neste domingo (26/05/2017):

G1/Reprodução

 

Na tarde deste domingo (26/05/2019), o presidente Jair Bolsonaro (PSL) foi às redes sociais comentar as manifestações a favor do governo que ocorreram em todo o país desde o início da manhã. De acordo com o chefe do Executivo brasileiro, a “grande maioria foi às ruas com pautas legítimas e democráticas”.

O mandatário da República disse ainda que, apesar disso, “há quem ainda insista em distorcer os fatos”, fazendo referência a pessoas que protestam contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal. “Há alguns dias atrás, fui claro ao dizer que quem estivesse pedindo o fechamento do Congresso ou STF hoje estaria na manifestação errada”, afirmou Bolsonaro.

Mais cedo, durante discurso em um culto religioso na Igreja Batista Atitude, Zona Oeste do Rio de Janeiro, o chefe do Executivo nacional disse que a manifestação deu um recado “para aqueles que, com suas velhas práticas, não deixam que o povo se liberte”.

Reprodução/Globo News

“Pela primeira vez na história do Brasil, um presidente eleito está cumprindo o que prometeu na campanha”, afirmou Bolsonaro. O titular do Palácio do Planalto se emocionou durante o discurso, ao agradecer a Deus pela sua vida. “Peço orações para mim, para o Brasil e para as autoridades. Para que possamos vencer os obstáculos”, disse.

Últimas notícias