Polícia não descarta sabotagem de ex-funcionário da Backer

Homem demitido teria ameaçado de morte supervisor da cervejaria e dito que "não tinha nada a perder"

atualizado 11/01/2020 22:32

cervejaria backaerDivulgação

O delegado da Polícia Civil que investiga o caso Belorizontina não descarta nenhuma linha de investigação, inclusive a de uma possível sabotagem na linha de produção da cervejaria Backer. As informações são do jornal O Tempo.

De acordo com a reportagem, houve, neste sábado, a revelação de que a Backer já havia registrado um boletim de ocorrência contra um ex-funcionário da cervejaria, que ameaçou de morte o supervisor da empresa em dezembro do ano passado.

O homem, de 33 anos, teria ameaçado supervisor da Backer, após ser demitido, e alegado aos gritos, que “não tinha nada a perder”. O caso aconteceu em 19 de dezembro, há pouco mais de 20 dias, na sede da cervejaria no bairro Olhos D’Água, na região do Barreiro.

O supervisor da empresa também teria contado à polícia que após receber o comunicado de que seria desligado da cervejaria, o suspeito ficou muito nervoso. Outros
funcionários precisaram contê-lo para evitar agressões físicas.

De acordo com o depoimento do supervisor, o suspeito ainda teria ameaçado o supervisor de morte, e fugido após a confusão.

Contaminação

As investigações contra a cervejaria Backer começaram com relatos de pacientes que foram internados com sintomas semelhantes em Minas Gerais. Até o momento, 10 casos de intoxicação pela substância foram notificados, sendo que uma das vítimas morreu.

Todos chegaram a hospitais de Belo Horizonte, região metropolitana, e de Juiz de Fora (MG) com insuficiência renal aguda de evolução rápida e alterações neurológicas, entre outras características.

A partir daí, a investigação da polícia e das autoridades sanitárias chegaram até a Backer e analisaram algumas cervejas do lote 1348, encontrando o dietilenoglicol. Em nota, a empresa afirmou que o dietilenoglicol “não faz parte do processo de produção da cerveja, fabricada pela Cervejaria Backer”.

“Por precaução, os lotes em questão – L1 1348 e L2 1348 – citados pela Polícia Civil, e recolhidos na residência dos consumidores, serão retirados imediatamente de circulação, caso ainda haja algum remanescente no mercado”, acrescentou. A diretora de marketing da empresa, Paula Lebbos, informou que, ao todo, os dois lotes totalizam 33 mil garrafas.

Por conta do problema, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) interditou a fábrica da cervejaria nessa sexta-feira (11/01/2020) em Belo Horizonte.

Com possível contaminação da substância tóxica dietilenoglicol, os lotes L1 1348 e L2 1348 da cerveja Belorizontina, da Backer, chegaram a Brasília. E, após 10 pacientes contaminados serem internados em Minas Gerais, a Vigilância Sanitária do Distrito Federal tomou providências para evitar que moradores da capital façam ingestão da bebida.

 

Últimas notícias