Polícia investiga demora de socorro ao pastor Anderson do Carmo

Ele foi levado ao hospital cerca de 25 minutos após ter sido baleado. Bombeiros afirmam que família dispensou a equipe de salvamento

Reprodução/instagramReprodução/instagram

atualizado 04/07/2019 10:45

A Polícia Civil pediu ao Corpo de Bombeiros o horário em que a primeira ligação para pedir socorro foi realizada na casa da deputada federal Flordelis (PSD-RJ), na madrugada de 16 de junho, dia do assassinato do pastor e marido da parlamentar, Anderson do Carmo. A informação é do jornal O Dia.

A parlamentar afirmou, durante coletiva de imprensa, que os filhos fizeram “inúmeras ligações” para o 193 logo após o marido ter sido baleado.

A corporação, no entanto, nega que tenha demorado no socorro. Pontua ainda que, a caminho do local, a equipe foi dispensada pela família. Devido ao sigilo em que corre a investigação, o Corpo de Bombeiros não divulgou os horários, mas garantiu que já os repassou para a polícia.

Conforme imagens da câmera de segurança, o pastor foi levado para o hospital cerca de 25 minutos após ter sido baleado. Contudo, segundo o inquérito, ele já estava morto.

Lucas dos Santos, 18 anos, um dos filhos adotivos do casal e suspeito de participar do assassinato, levou o pai ao hospital. O rapaz está preso desde o dia 17 de junho.

As imagens deixaram os investigadores intrigados. Lucas chegou a admitir ter atirado no pai a mando do irmão Flávio Rodrigues de Souza, 38, filho biológico da deputada. Ao mesmo tempo, é ele que sai de casa com o carro para procurar a polícia em vez de socorro.

Últimas notícias