Grupo que distribuía cestas básicas em comunidade fica preso em tiroteio

Operação policial na Cidade de Deus, no RJ, terminou com um jovem de 18 anos morto, denuncia frente que ajuda vítimas da Covid-19 na favela

atualizado 20/05/2020 22:31

Integrantes da Frente Cidade de Deus (Frente CDD) denunciaram, no Twitter, que a equipe do movimento, que ajuda moradores da favela carioca na luta contra a Covid-19, ficou presa em meio a um tiroteio no Rio de Janeiro (RJ). Segundo eles, o grupo entregava cestas básicas quando um “caveirão” (carro da Polícia Militar) entrou no bairro.

O educador, conselheiro tutelar e morador da Cidade de Deus Jota Marques acusou os policiais militares de apontarem armas para eles enquanto tentavam entrar no carro. O grupo teria informado aos agentes, então, que estavam distribuindo comida e recebido como resposta que “se não quisessem ser baleados, que saíssem com bíblias na mão”.

“Somos todos da Cidade de Deus, na Frente CDD, educadores, trabalhadores locais, artistas. Estávamos numa ação entregando 200 cestas básicas para as famílias da região Pantanal. Disseram que iam cuidar de nós”, narrou.

João Felix, ator e membro da Frente CDD, questionou: “Estava rolando uma ação social e a polícia chegou. Eu quero entender por que a polícia chegou atirando no meio de uma ação de entrega de cestas básicas?”.

Ele também contou que o grupo esteve, na terça-feira (19/05), com o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), pedindo suporte às pessoas da comunidade, que “estão com fome, sem água em casa e morrendo com o coronavírus”. “Hoje o caveirão entra. Dá ódio, muito ódio”, criticou.

Nenhuma pessoa do grupo foi ferida, mas um jovem de 18 anos teria sido baleado na operação. Jota Marques afirmou, no Twitter, que ele faleceu – o conselheiro tutelar estava com o pai da vítima, que relatou que o filho havia saído para comprar pipa.

“Estamos cansados. A gente não tem direito de entregar comida, a gente não tem direito a cuidar dos nossos. A gente não tem direito a nada”, desabafou ele. O jovem baleado foi levado para o Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca.

PEMRJ

Ao Metrópoles, a assessoria da PM do Rio confirmou que as equipes do 18º Batalhão e da 41ª Delegacia de Polícia (Tanque) fizeram uma ação conjunta na comunidade para “checar denúncias sobre tráfico de drogas”. “Durante a entrada das equipes, os criminosos atiraram e houve confronto”, informaram, acrescentando ter apreendido uma pistola no local.

A PM não esclareceu detalhes sobre o homem baleado e disse que a ocorrência “segue em andamento’.

Últimas notícias