OAB questiona Coaf sobre suposta investigação contra Greenwald

Em nota, instituição levanta preocupações sobre o "risco de violação dos direitos à liberdade de expressão e de imprensa"

Fernando Frazão/Agência BrasilFernando Frazão/Agência Brasil

atualizado 05/07/2019 18:07

O Conselho Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) enviou um ofício ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) no qual questiona a veracidade da suposta solicitação de investigação, conduzida pela Polícia Federal (PF), das movimentações financeiras do jornalista Glenn Greenwald, editor do site The Intercept Brasil. O pedido foi entregue ao Coaf nesta sexta-feira (05/07/2019).

O documento, assinado pelo presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, levanta preocupação sobre o risco de violação dos direitos à liberdade de expressão e de imprensa. “Ambos garantidos na Constituição e imprescindíveis ao Estado Democrático de Direito”, diz trecho do ofício.

Veja a íntegra do documento:

Ofício OAB by Metropoles on Scribd

O pedido foi feito após a publicação de reportagens afirmando que o jornalista seria investigado pelo Coaf, por meio da atuação da PF. O manifesto da OAB argumenta, ainda, que “a manutenção da democracia só é possível com a possibilidade de a mídia atuar livremente”.

Greenwald é editor-chefe do The Intercept Brasil, site que revelou um vazamento de dados que envolvem supostas conversas de celular entre o ex-juiz da Lava Jato, Sergio Moro, e procuradores da força-tarefa, como o coordenador Deltan Dellagnol.

Últimas notícias