Novo ministro do Turismo, Gilson Machado faz apelo contra lockdown no país

O pedido de Gilson Machado acontece um dia após o Brasil ter registrado o maior número de mortes por Covid-19 dos últimos dois meses

atualizado 10/12/2020 19:00

Gilson Machado Neto é o novo presidente do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur) Comemoração do Dia Internacional da Pessoa com Deficiência e do Dia Internacional do Voluntário, no palácio do Planalto 19Igo Estrela/Metrópoles

O novo ministro do Turismo, Gilson Machado, se mostrou contra a implementação do lockdown como forma de frear a disseminação do coronavírus no país. Nomeado nesta sexta-feira (10/12), Machado assumiu o cargo que era de Marcelo Álvaro Antônio.

“Aproveito a oportunidade para fazer um apelo às autoridades municipais e estaduais para que não decidam por voltar a fechar as atividades ligadas ao trade do turismo, especialmente no período do Natal. Não podemos implementar lockdown novamente, pois o setor não aguenta”, afirmou, em nota sobre sua nomeação para o cargo de ministro.

O apelo do ex-presidente da Embratur acontece um dia após o Brasil ter registrado o maior número de mortes por Covid-19 dos últimos dois meses.

O novo ministro ainda disse que recebe com muita honra “a missão” de assumir a pasta. “Não me faltam coragem e vontade de contribuir com o meu país. Nós não teremos apenas uma recuperação econômica. Teremos a melhor recuperação econômica possível por causa do turismo. Para isso, faço este apelo: não podemos fechar o trade novamente”, pediu.

Confira na íntegra a nota:

“Foi com muita honra que recebi do senhor presidente da República, Jair Bolsonaro, a missão de assumir o Ministério do Turismo. Sei exatamente o tamanho da responsabilidade, mas não me faltam coragem e vontade de contribuir com o meu país.

O Brasil tem um potencial gigante para o turismo e sabemos do desafio que vamos enfrentar, mas isso não me assusta, pois como Coordenador na transição do Grupo Temático do Turismo, Secretário Nacional de Ecoturismo e Presidente da Embratur, sempre trabalhei incansavelmente para tornar a atividade um dos principais vetores de crescimento da economia brasileira. E como principal entusiasta encontrei ninguém menos que o próprio presidente Bolsonaro.

Nesta pasta, que considero uma das mais importantes da Esplanada, cuidarei das políticas públicas relativas à atividade, com especial atenção àqueles que têm no turismo a sua labuta diária e dele tiram o sustento de suas famílias e com foco na retomada segura desta atividade que emprega milhares de brasileiros de norte a sul do país de maneira direta ou indireta.

Neste momento em que assumo o Ministério do Turismo, agradeço ao meu antecessor, Marcelo Álvaro, pelo apoio que me deu durante todo o tempo em que estive na Embratur e também o parabenizo por seu trabalho em prol do turismo brasileiro.

Quanto à Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo, muito me alegra saber que será presidida por Carlos Brito, quadro técnico da mais alta qualidade da instituição e que já era Diretor de Gestão Corporativa da Agência. Tenho profunda gratidão por ter a oportunidade de ajudar meu país, um país que foi arquitetado para dar certo, e fazer parte de um governo que constrói um legado e recupera a confiança e autoestima de uma nação.

Aproveito a oportunidade para fazer um apelo às autoridades municipais e estaduais para que não decidam por voltar a fechar as atividades ligadas ao trade do turismo, especialmente no período do Natal. Não podemos implementar lockdown novamente pois o setor não aguenta.

O governo federal fez seu dever de casa e o Ministério do Turismo foi exemplo ao informar todo o país sobre quais são as melhores práticas sanitárias para evitar a disseminação do coronavírus. Também em virtude das articulações do governo federal, foram aprovadas Medidas Provisórias que protegeram os empregos dos brasileiros neste período difícil.

Sabemos que o nosso maior ativo é o capital humano. Por ser, também, um operador do Turismo, sei especialmente disso. Nós não teremos apenas uma recuperação econômica. Teremos a melhor recuperação econômica possível por causa do turismo. Para isso, faço este apelo: não podemos fechar o trade novamente. Encerro agradecendo a confiança do presidente Bolsonaro e reafirmo o meu compromisso de lealdade com ele e com meu país”.

0

Últimas notícias