Nos EUA, ex-presidente da Braskem é condenado a 20 meses de prisão

A condenação de José Carlos Grubisich aconteceu por conta do pagamento de suborno a funcionários da Petrobras

atualizado 12/10/2021 18:49

Paulo Liebert/Estadāo Conteúdo

O ex-presidente da Braskem José Carlos Grubisich foi condenado a 20 meses de prisão pela Justiça dos Estados Unidos por ter pagado propina para funcionários da Petrobras. A sentença também diz que ele deve pagar uma multa de US$ 2,2 milhões – ou quase R$ 12,2 milhões no câmbio atual. O caso foi investigado pela Operação Lava-Jato.

Em abril deste ano, o ex-executivo daempresa brasileira, subsidiária da Petrobras, se declarou culpado de fazer parte um esquema de corrupção que chegou a movimentar US$ 250 milhões (ou R$ 1,4 bilhão) em subornos. Os valores serviriam para garantir negócios para a companhia onde trabalhava.

O processo é consequência de um acordo de delação feito pela Odebrecht, uma das acionistas da Braskem, nos EUA.

Grubisich chegou a ser detido em novembro de 2019 ao viajar para os Estados Unidos a lazer. Ele ficou preso até abril do ano passado, quando pagou uma fiança de US$ 30 milhões (ou R$ 168 milhões).

Ao admitira sua culpa no processo, ele reconheceu que conspirou para desviar dinheiro da Braskem para um fundo secreto, além de ter pagado propina para diversas autoridades brasileiras.

Mais lidas
Últimas notícias